Fórum Educação
08 de agosto de 2019, 09h25

Flávio Bolsonaro: MP não pode ser dominado por quem seja “contra o que a gente pensa”

A atual procuradora-geral, Raquel Dodge, encerra seu mandato em 17 de setembro. O presidente já declarou que indicará o substituto até a próxima segunda-feira

Flávio Bolsonaro com o ex-assessor Fabrício Queiroz (Foto: Reprodução)

O senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), filho do presidente Jair Bolsonaro (PSL-RJ) e alvo de investigações (veja abaixo), afirmou em entrevista ao programa Em Foco, da GloboNews, que o Ministério Público não pode ser dominado por quem seja “contra o que a gente pensa”. A entrevista vai ao ar no próximo dia 14.

A atual procuradora-geral, Raquel Dodge, encerra seu mandato em 17 de setembro. O presidente já declarou que indicará o substituto até a próxima segunda-feira (12).

Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo

“Acho que essa vai ser uma decisão das mais importantes que o presidente vai tomar porque o Ministério Público, como fiscal da lei, pode interferir em diversas áreas que, para nós, são importantes que não sejam dominadas por pessoas que ideologicamente são contra o que a gente pensa”, afirmou Flávio Bolsonaro.

“Eu estou dizendo o seguinte: no meio ambiente, na segurança pública e numa série de outras áreas que a gente sabe – e esse foi o projeto vitorioso nas urnas – que tem que mudar em relação ao que estava no passado. A gente vai ter no Ministério Público pessoas que vão compreender não o resultado da eleição apenas, vão agir dentro da lei, vão agir sem o viés ideológico”, acrescentou o parlamentar.

O indicado por Bolsonaro para substituir Dodge será submetido a uma sabatina no Senado e precisa ter a indicação aprovada para tomar posse. O mandato é de dois anos.

Peculato, lavagem de dinheiro e organização criminosa

Flávio é investigado sob suspeita de peculato, lavagem de dinheiro e organização criminosa entre 2007 e 2018, quando exercia o mandato de deputado estadual na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj).

A investigação foi aberta depois de um relatório do Conselho de Controle das Atividades Financeiras (Coaf) apontar movimentação de R$ 1,2 milhão nas contas de seu ex-assessor Fabrício Queiroz entre janeiro de 2016 e janeiro de 2017.

Com informações do G1


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum