Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
18 de fevereiro de 2020, 15h36

Flávio Bolsonaro posta vídeo do cadáver de Adriano da Nóbrega

Senador teve acesso a imagens fortes do corpo do miliciano com quem tinha contato próximo para justificar sua tese de que ele teria sido torturado

Adriano da Nóbrega, Flávio Bolsonaro e Fabrício Queiroz (Reprodução)

O senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) publicou em seu Twitter, na tarde desta terça-feira (18), um vídeo da necrópsia realizada no cadáver do ex-PM Adriano da Nóbrega, ex-chefe da milícia Escritório do Crime.

As imagens são fortes. Com elas, Flávio Bolsonaro, que era próximo ao miliciano e chegou a defendê-lo e homenageá-lo em diversas ocasiões, tenta justificar sua tese de que Adriano da Nóbrega tenha sido torturado pela polícia da Bahia na operação que o matou no início do mês.

“Perícia da Bahia (governo PT), diz não ser possível afirmar se Adriano foi torturado. Foram 7 costelas quebradas, coronhada na cabeça, queimadura com ferro quente no peito, dois tiros a queima-roupa (um na garganta de baixo p/cima e outro no tórax, que perfurou coração e pulmões”, escreveu o senador na publicação com o vídeo.

Juiz nega nova necrópsia

A publicação de Flávio Bolsonaro vem apenas um dia após o juiz Gustavo Kalil, da 4ª Vara Criminal do TJ-RJ, ter decidido que a preservação do corpo de Adriano da Nóbrega, ex-chefe da milícia Escritório do Crime, não é mais necessária. Ele também entende que não há a necessidade de novas perícias.

Em decisão proferida nesta segunda, ele contraria determinação ditada por ele e por outros magistrados na última semana que entendiam que o corpo do miliciano deveria ser preservado.

Segundo o colunista Lauro Jardim, do O Globo, o juiz também entendeu que não há necessidade de uma nova necrópsia no corpo de Adriano. Enquanto alguns legistas avaliam – através de fotos obtidas pela Revista Veja – que a morte não aconteceu em troca de tiros, a perícia da Bahia reforça a tese.

Kalil, no entanto, não autorizou a cremação porque, segundo ele, isso cabe à a comarca de Esplanada, na Bahia, cidade onde o miliciano morreu.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum