Fim da mamata! Braga Netto, o do golpe, recebeu R$ 100,7 mil de salário em junho

General, que segundo o Estadão ameaçou o Brasil de ficar sem eleição, viu a dinheirama cair em sua conta no último mês. Defesa explica que este é o valor de seus vencimentos somado a “outras remunerações eventuais"

No governo do homem que passou os últimos três anos afirmando que “acabou a mamata” há supersalários imorais e todo tipo de regalia para amigos e aliados. E quem não poderia ficar de fora é o fiel escudeiro de Jair Bolsonaro, o general da reserva do Exército Walter Braga Netto.

O atual ministro da Defesa, que nesta semana se viu em meio a um furacão depois de ter sido acusado numa reportagem do jornal O Estado de S. Paulo de ameaçar Arthur Lira (PP-AL) com a suspensão das eleições de 2022 se o voto impresso não fora implantado no país, recebeu a simplória bagatela de R$ 100,7 mil de salário no mês de junho.

Exemplo clássico da mamata que seria combatida na administração pública por seu chefe, a dinheirama é fruto de uma série de penduricalhos e agrados que são somados ao já polpudo salário do ministro, que ocupa também a patente hierárquica mais alta do Exército Brasileiro. A prática de somar vencimentos e ultrapassar o teto máximo de pagamento a servidores, profundamente imoral e vergonhosa, foi liberada pelo governo Bolsonaro em maio deste ano.

De acordo com o Ministério da Defesa, o rechonchudo depósito de junho a Braga Netto foi composto por seu salário, de R$ 30,9 mil, primeira parcela do 13° salário e “outras remunerações eventuais”, que não são explicadas e tampouco detalhadas.

Notícias relacionadas

Avatar de Henrique Rodrigues

Henrique Rodrigues

Jornalista e professor de Literatura Brasileira.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR