Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
11 de outubro de 2018, 09h25

Força-tarefa investiga doações de R$ 53 milhões de empresa dirigida por Paulo Guedes a políticos e partidos

"Diretores/gestores dos fundos de pensão possam ter se consorciado com o empresário Paulo Roberto Nunes Guedes, controlador do Grupo HSM Brasil, a fim de cometerem crimes", diz a investigação.

Foto: Montagem/Divulgação)

Reportagem de Fábio Serapião e Luiz Vassalo, no jornal O Estado de S.Paulo, revela que a força-tarefa da Operação Greenfield, que investiga um desvio dos fundos de pensão, bancos públicos e estatais, investiga ‘eventuais conexões entre os aportes dos fundos de pensão e as doações da empresa Contax Participações S/A (registradas em R$ 53 milhões para partidos políticos e candidatos, entre 2008 e 2014) da qual, segundo o portal Bloomberg, o sr. Paulo Roberto Nunes Guedes era diretor’.

Formado em Chicago, aluno do economista ícone do neoliberalismo Milton Friedman, Paulo Guedes, é o principal assessor econômica de Jair Bolsonaro (PSL). Apelidado pelo capitão da reserva de “Posto Ipiranga”, o economista é cotado para comandar um super-ministério da Fazenda em um eventual governo do militar.

Segundo a reportagem, a investigação foi aberta com base em relatórios sobre dois fundos de investimentos (FIPs) administrado por uma empresa de Guedes que receberam R$ 1 bilhão, entre 2009 e 2013, de fundos de pensão de estatais. Também será apurada a emissão e negociação de títulos imobiliários sem lastros ou garantias.

A investigação apontam que há ‘relevantes indícios de que entre fevereiro de 2009 e junho de 2013, diretores/gestores dos fundos de pensão Funcef, Petros, Previ, Postalis (todas alvos da Operação Greenfield), Infraprev, Banesprev e FIPECQ e da sociedade por ações BNDESPar possam ter se consorciado com o empresário Paulo Roberto Nunes Guedes, controlador do Grupo HSM Brasil, a fim de cometerem crimes de gestão fraudulenta ou temerária de instituições financeiras equiparadas ‘e emissão e negociação de títulos mobiliários sem lastros ou garantias, relacionados a investimentos no FIP BR Educacional’.

Em nota, os advogados de Guedes negam qualquer fraude e dizem que a investigação tem como “principal objetivo confundir o eleitor”.

Leia a reportagem na íntegra.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum