Ouça o Fórumcast, o podcast da Fórum
04 de outubro de 2017, 19h00

“Fundo eleitoral” de Huck e outros empresários é tentativa de legalizar caixa 2

“É mais uma tentativa de burlar as leis”, disse deputado sobre o “fundo eleitoral” que Huck e outros empresários estão criando para financiar candidaturas apoiadas pelo mercado. Financiamento empresarial de campanhas foi proibido pelo STF no ano passado

Por RBA

Um grupo de empresários anunciou a criação de um fundo para financiar políticos para as próximas eleições. A iniciativa, batizada de Fundo Cívico para a Renovação da Política (RenovaBR), pretende dar “mesadas” e doações para os selecionados do empresariado disputarem pleitos com maior força. Acontece que o financiamento privado de campanha por empresas (pessoas jurídicas) foi proibido no ano passado pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

O questionamento do deputado federal Jorge Solla (PT-BA) é justamente se tal fundo vai se comportar como uma empresa, visto que, como explica o professor de direito civil Carlos Roberto Gonçalves, em sua obra Direito Civil Brasileiro (2005), “a pessoa jurídica consiste num conjunto de pessoas ou bens, dotado de personalidade jurídica própria e constituído na forma da lei para a consecução de fins comuns”. No caso, para o parlamentar, a finalidade comum do grupo de pessoas seria a de eleger seus candidatos. Caberá à Justiça investigar e julgar a natureza do negócio.

“É mais uma tentativa, travestida de boas intenções, de burlar as leis, de fraudar a democracia. A única forma de doação de dinheiro com finalidade eleitoral prevista na legislação é o de pessoa física para partidos ou para CNPJ da campanha do candidato. Qualquer coisa fora disso é ilegal. É o velho e repugnante caixa dois”, afirma o parlamentar.

O fundo conta com a colaboração de nomes como o apresentador Luciano Huck, o ex-presidente do Banco Central Armínio Fraga e o empresário Abílio Diniz, todos sob comando do articulador Eduardo Mufarej.

Mufarej é sócio da Tarpon Investimentos e presidente da Somos Educação. Posicionado à direita no espectro político e econômico, o empresário foi um dos fundadores do Partido Novo. Mesmo com seu envolvimento direto com tal campo ideológico, o empresário afirma que o fundo será “apartidário”.

“Iniciativas como essa não deixam nosso país mais democrático, ao contrário: é o poder da grana dos interesses dos empresários que tenta definir como o Congresso deve se renovar, atendendo os interesses desses empresários, que via de regra não é o interesse popular. Se eles querem se organizar para disputar eleições, que venham para o jogo da política dentro das regras, fundem um partido, filiem seus candidatos e vamos às urnas”, completou Solla.

Os empresários alegam “renovação” para montar essa “fábrica de novos políticos”. Acontece que o Congresso Nacional já possui presença maciça de representantes das empresas. Sempre foi dessa forma, como explica o economista e presidente da Fundação Perseu Abramo, Marcio Pochmann: “Produto de um sistema eleitoral contaminado pelo sistema econômico, temos um parlamento cuja composição equivale à presença de um deputado vinculado aos trabalhadores para cada 12 vinculados ao poder econômico”, afirma.

“Se olharmos para a composição do povo brasileiro, temos um empresário para cada 40 trabalhadores. Temos um Parlamento com uma enorme desproporção em termos de representação entre trabalho e capital”, completa o economista. Os bolsistas que os empresários pretendem bancar com o capital das empresas deles receberão, somadas ajuda de custo e formação, algo em torno de R$ 8.000 por mês.

Maquinaram o sistema

A agenda do grupo começou oficialmente na segunda-feira (2). A seleção começa no próximo sábado, quando os empresários devem escolher quais pessoas eles acham adequadas para defender seus interesses no Parlamento. O processo vai até dezembro. Em janeiro começam os pagamentos para os considerados mais interessantes para o grupo. Em abril, eles deverão escolher seus partidos e, em agosto, começam a receber doações dos indivíduos que compõem o grupo. Solla questiona se isso não seria uma forma de financiamento empresarial travestido da legalidade das doações que, neste último momento, seriam realizadas pelas pessoas físicas componentes do grupo.

“Observa-se, excelência, que os envolvidos na criação do fundo maquinaram o sistema de forma a conduzir todo o processo eleitoral, desde a escolha dos pretensos candidatos, até a filiação partidária deles, sob o manto do poder econômico. Não foi por outro motivo que a convocação pública fora designada para o dia 7 de outubro e o início dos desembolsos financeiros já para janeiro, meses antes do prazo limite para a filiação partidária”, argumenta Solla em juízo.

O parlamentar completa sua queixa, direcionada à Procuradoria-Geral da República, sustentando que tal ação dos empresários representa a “legalização do caixa dois”, e pede a “imediata suspensão do fundo cívico”. “O caixa dois é, senão, prática financeira ilegal, num verdadeiro mundo paralelo, alheio a qualquer fiscalização, geralmente destinado a atividades ilegais (…). O fundo cívico se propõe a financiar, desde um ano antes, sem qualquer controle da Justiça eleitoral, pessoas com o fim de obter-lhes as candidaturas. Está incontroverso.”

 


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum