Gargalhada de Bolsonaro com a Covid-19 aconteceu após piada homofóbica, mostra novo vídeo

No momento anterior, o presidente faz piada homofóbica com o prefeito de Itajaí, que anunciou tratamento dos pacientes com Covid-19 com aplicação de ozônio pelo ânus

O vídeo onde o presidente Jair Bolsonaro (Sem Partido-RJ) solta gargalhadas fazendo piadas com pacientes da Covid-19 é ainda pior do que aparece no seu primeiro corte, quando foi divulgado.

No momento anterior, Bolsonaro faz uma piada homofóbica com o prefeito de Itajaí (SC), Volnei Morastoni (MDB), que anunciou, em agosto, uma forma de tratamento dos pacientes com Covid-19 na cidade, com aplicação de ozônio pelo ânus.

“O prefeito cura a Covid com aplicação de ozônio. Não pergunta onde ele coloca o ozônio, tá?”, diz o presidente. “Estou com covid”, ironiza ainda, emendando uma gargalhada. “Tinha muita gente indo para lá tomar [inaudível]. Estou com Covid”, repete Bolsonaro, diante de apoiadores, no vídeo, em que não teve a data identificada.

Bolsonaro vive em meio a uma guerra contra o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), que anunciou o início da vacinação no estado para o dia 25 de janeiro, mas depende do aval da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), órgão que é submetido ao Ministério da Saúde.

Nesta terça-feira (8), Doria protagonizou um bate-boca com o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, durante reunião que seria para discutir um plano nacional de imunização, mas que não teve resultados na prática diante do impasse do governo Bolsonaro frente às vacinas.

Avatar de Julinho Bittencourt

Julinho Bittencourt

Jornalista, editor de Cultura da Fórum, cantor, compositor e violeiro com vários discos gravados, torcedor do Peixe, autor de peças e trilhas de teatro, ateu e devoto de São Gonçalo - o santo violeiro.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR