Avanço do garimpo na Amazônia: oposição articula medidas contra general Heleno

Ministro-chefe do GSI deu aval a pelo menos sete projetos de garimpo de ouro em áreas intocadas da Amazônia; deputados do PSOL e do PT reagem

Após vir à tona a notícia de que o ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Augusto Heleno, deu aval para ao menos sete projetos de garimpo de ouro em áreas intocadas da Amazônia, deputados da oposição começam a se articular contra o militar, um dos principais conselheiros de Jair Bolsonaro.

O PSOL prepara uma representação a ser protocolada junto ao Ministério Público Federal (MPF).

“Junto com a bancada do PSOL, entrarei com uma representação no Ministério Público Federal contra a decisão do General Heleno de autorizar o avanço do garimpo em áreas reservadas da Amazônia. A política ecocida do desgoverno Bolsonaro é criminosa e não será tolerada!”, anunciou a deputada federal Fernanda Melchionna (PSOL-RS).

Vicentinho, deputado federal do PT-SP, por sua vez, falou sobre a necessidade de Heleno ser submetido a um “exame de sanidade mental” ao comentar o assunto. “General Heleno autoriza sete projetos de garimpo na Amazônia, em áreas indígenas. Solicitamos que o general seja submetido a um exame de sanidade mental, pois além da desumanidade desse ato, o comércio brasileiro pode sofrer mais restrições no mercado internacional”, escreveu em suas redes sociais.

À Fórum, a bancada petista na Câmara informou que já estuda medidas legais a serem tomadas contra a “boiada” passada pelo ministro de Bolsonaro na Amazônia.

Pela manhã, o pré-candidato à presidência Ciro Gomes (PDT) havia chamado Augusto Heleno de “Napoleão de hospício”. “O Ministério Público, a Procuradoria Geral da República e a Polícia Federal não vão investigar? O judiciário não vai punir este absurdo? Não podemos deixar que este alcoviteiro de golpes amplie a marcha de devastação dos últimos santuários da Amazônia brasileira!”, publicou o pedetista.

Garimpo em área intocada

Segundo reportagem de Vinicius Sassine, na edição desta segunda-feira (6) da Folha de S.Paulo, Heleno, que é secretário-executivo do Conselho de Defesa Nacional, órgão que aconselha o presidente em assuntos de soberania e defesa, autorizou em 2021 sete projetos de mineração de ouro na cidade de São Gabriel da Cachoeira (AM), em uma região intocada da floresta na fronteira do Brasil com a Colômbia e a Venezuela.

A região, conhecida como Cabeça do Cachorro, é uma das áreas mais preservadas da Amazônia e abriga 23 etnias indígenas. De acordo com o jornalista, que fez o levantamento, 6 dos 7 empreendimentos ocorrem em “terrenos da União”.

Publicidade

Os projetos foram encaminhados ao Conselho de Defesa Nacional pela Agência Nacional de Mineração (ANM)). Segundo a reportagem, estas teriam sido as primeiras autorizações para garimpo na região.

Heleno concedeu 81 autorizações de mineração na Amazônia desde 2019, entre permissões de pesquisa e de lavra de minérios. A maior quantidade foi em 2021: 45, conforme atos publicados até o último dia 2, sendo essa a maior quantidade num ano desde 2013.

Publicidade

O aval de Heleno autoriza o garimpo em uma área de 587 mil hectares, quase quatro vezes o tamanho da cidade de São Paulo. Apenas os sete projetos na região de São Gabriel da Cachoeira englobam 12,7 mil hectares.

Notícias relacionadas

Avatar de Ivan Longo

Ivan Longo

Jornalista, editor de Política, desde 2014 na revista Fórum. Formado pela Faculdade Cásper Líbero (SP). Twitter @ivanlongo_