Gilmar Mendes detona André Mendonça no STF: “Parece que está havendo um certo delírio”

O ministro defende a manutenção das restrições a cultos e missas durante a pandemia

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), criticou duramente a sustentação oral feita pelo chefe da Advocacia-Geral da União (AGU), André Mendonça, durante sessão realizada no STF nesta quarta-feira (7). O plenário avalia a reabertura de igrejas e templos diante do aumento de restrições por conta do recrudescimento da pandemia de Covid-19.

“Quando sua excelência fala do problema dos transportes no Brasil, especialmente no transporte coletivo e transporte aéreo com a acumulação de pessoas, eu poderia entender que o senhor estava vindo de uma viagem a Marte, descolado de qualquer responsabilidade institucional com qualquer assunto no Brasil, mas verifiquei aqui que era ministro da Justiça”, afirmou Mendes.

O magistrado destacou que Mendonça “tinha a responsabilidades institucionais” diante da pandemia para propor medidas contra as aglomerações em transportes. “À União cabe legislar sobre diretrizes da política nacional de transportes. Parece que está havendo um certo delírio neste contexto geral. é preciso que cada um de nós assuma a sua responsabilidade. Isso tem que ficar bem claro, não tentemos enganar ninguém”, completou.

“Os bobos ficaram fora da Corte”, acrescentou Mendes. O ministrou ainda não conclui seu voto como relator, mas deve manter posição contra a ADI movida pelo PSD que alegava inconstitucionalidade nas restrições que impedem cultos.

André Mendonça

Durante sua sustentação, o chefe da AGU usou passagens bíblicas em seu discurso e deu a seguinte declaração: “Os verdadeiros cristãos não estão dispostos a matar por sua fé, mas estão sempre dispostos a morrer para garantir a liberdade de religião e de culto”.

Avatar de Lucas Rocha

Lucas Rocha

Jornalista da Sucursal do Rio de Janeiro da Fórum.