Fórumcast, o podcast da Fórum
27 de junho de 2019, 11h57

Glenn Greenwald ironiza: “Subserviência de Bolsonaro é reservada exclusivamente aos Estados Unidos”

Na chegada ao Japão, Bolsonaro se irritou após questionamento sobre as críticas da primeira-ministra da Alemanha, Angela Merkel, em relação à política ambiental do governo brasileiro

Foto: Reprodução

O criador do site The Intercept, Glenn Greenwald, ironizou nesta quinta-feira (27) por meio do Twitter a fala de Bolsonaro em Osaka, no Japão, ao responder a chanceler Angela Merkel, afirmando que o Brasil não será subserviente a nenhum país. A premiê disse que deseja ter uma conversa clara com o presidente brasileiro sobre o desmatamento na Amazônia.

“Merkel precisa entender: a subserviência de Bolsonaro é reservada exclusivamente para os Estados Unidos”, disse o diretor do site responsável pela divulgação da Vaza Jato.

Mencionando um reportagem do site alemão DW, Greenwald também tuitou que “A chanceler alemã, Angela Merkel, diz que vê o que está acontecendo no Brasil sob Bolsonaro com grande preocupação – como “dramática” – devido às ameaças que ele representa tanto para os direitos humanos básicos quanto para o meio ambiente”.

Irritação
Na chegada ao Japão na madrugada desta quinta-feira (27), Bolsonaro se mostrou irritado ao menos duas vezes durante a conversa com repórteres em Osaka e voltou a atacar a imprensa após ser questionamento sobre as críticas da primeira-ministra da Alemanha, Angela Merkel, em relação à política ambiental do governo brasileiro.

Veja também:  Governo Bolsonaro suspende edital de séries com temas LGBT para TVs públicas

“Não interessa, e deixa eu terminar o raciocínio. Então tem que se fazer a filtragem [sobre o que a imprensa publica] para não se deixar contaminar por parte da mídia escrita em especial”, afirmou, ao ser informado que as críticas de Merkel tiveram grande repercussão na Alemanha.


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum