Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
23 de janeiro de 2020, 11h48

Golpe quebrou 40% das para-petroleiras nacionais e aumentou em 72% contratos da Halliburton com a Petrobras

Em artigo, o pesquisador Iderley Colombini, do DIEESE, revela uma face oculta do golpe, que decretou a falência das empresas nacionais e a imposição de políticas próximas a dumping pelas gigantes internacionais do petróleo

Estadunidense Halliburton viu crescer em 72% contratos com a Petrobras após o golpe (Reprodução)

Por Iderley Colombini*

O setor de petróleo e gás no Brasil passou por uma profunda transformação nos últimos anos. É de amplo conhecimento o processo de desarticulação da cadeia de petróleo em torno da Petrobras, com privatização de vários ativos e subsidiárias, além de uma profunda mudança institucional no setor e da forte entrada das petroleiras internacionais através das várias rodadas de leilão ocorridas a partir de 2016.

Contudo, muito pouco tem sido anunciado com relação às empresas para-petroleiras no Brasil. Enquanto durante os anos 2000 houve uma importante dinamização do setor com o fortalecimento das empresas nacionais, através das políticas de conteúdo local, a partir de 2016 passou a se consolidar uma forte concentração das gigantes mundiais, com a falência das empresas nacionais de médio porte e a imposição de políticas próximas a dumping pelas gigantes internacionais.

O setor de petróleo e gás pode ser dividido entre as petroleiras (tanto nacionais/estatais quanto privadas) e as empresas que fornecem bens e serviços. Em termos conceituais, as empresas que fornecem bens (máquinas, equipamentos e materiais), tecnologia e serviços ao setor de petróleo são chamadas de para-petroleiras, enquanto as petroleiras detêm as reservas ou operam a exploração e a produção. As empresas para-petroleiras, apesar de terem uma visualização midiática muito menor, possuem uma enorme importância financeira e geopolítica. Não por acaso, Dick Cheney foi CEO da Halliburton (maior para-petroleira do mundo) entre sua gestão como secretário de defesa de George Bush pai e seu posto como vice-presidente de George Bush filho. As grandes para-petroleiras controlam um grande número de patentes tecnológicas, sendo responsáveis pela produção de maquinas e equipamentos sofisticados para o setor. Elas ocupam posição estratégica na cadeia global, com presença em praticamente todos os países produtores, mesmo naqueles com monopólio estatal.

No Brasil, a partir de 2003, com a 5ª rodada de licitação, passou a ser exigido um percentual de conteúdo local para a realização das operações de exploração do petróleo e gás nacional. Durante toda a década dos anos 2000, houve um forte crescimento das empresas nacionais de médio porte para o suprimento serviços e bens, como máquinas e equipamentos, além da consolidação das grandes empreiteiras nacionais para a realização das grandes obras. O fortalecimento das para-petroleiras nacionais nesse período também foi potencializado pelos enormes investimentos da Petrobras, tanto na compra de máquinas e equipamento quanto em ciência e tecnologia, que tem como exemplo emblemático a descoberta do pré-sal e a criação de toda a infraestrutura necessária para sua tão bem-sucedida exploração. As grandes empresas internacionais tiveram uma forte redução dos contratos no país. Durante esse período, muitas delas durante instalaram fábricas e laboratórios de pesquisa no Brasil para se adequar à nova realidade política. Empresas como a Halliburton tiveram vários contratos de produção de plataformas e sondas cancelados, para que as petroleiras atendessem as exigências da política de conteúdo local.

Contudo, esse panorama das para-petroleiras no Brasil passou por uma completa inversão nos últimos anos. Em 2014, iniciou-se uma forte crise no setor do petróleo mundial, com queda brusca dos preços internacionais e o começo de grandes movimentos geopolíticos. No Brasil, essa crise se materializou principalmente a partir da operação da Lava-Jato, que culminou com uma alteração profunda nos marcos regulatórios do setor de petróleo e gás. A política de conteúdo local foi completamente destruída já em 2016 com a Resolução n.7 do CNPE. Em contrapartida, as grandes para-petroleiras internacionais iniciaram uma política extremamente agressiva, a qual poderia ser descrita dentro dos manuais de economia como dumping, juntamente com forte processo de fusão e aquisição.

No meio do cenário de forte crise do setor do petróleo no Brasil, as grandes para-petroleiras (principalmente Halliburton, Schlumberger e Baker) passaram a praticar preços nas licitações de contrato muito inferiores ao padrão do mercado, mesmo tendo como implicação prejuízos no curto prazo que obrigaram as matrizes a realizar aportes financeiros. O valor médio dos contratos da Halliburton com a Petrobras no período de 2014 até 2019 teve uma redução de 36% em relação ao período de 2003 a 2014, em compensação o número de contratos aumentou 72% no mesmo período, mesmo comparando 11 anos com apenas quatro. A Baker e a Schlumberger, outras duas gigantes do mercado internacional, também realizaram movimento semelhante, tendo redução nos valores médios de contrato de respectivamente 66% e 45%. Ambas aumentaram o número de contratos em 15% no período de 2014 a 2019 em relação ao período de 2003 a 2014.

Se para as gigantes internacionais a crise iniciada em 2014 e aprofundada em 2016 trouxe um novo cenário de fortalecimento, para as empresas nacionais o quadro foi de grande depressão. Segundo estudo da KPMG de agosto de 2018, cerca de 40% das para-petroleiras brasileiras fecharam as portas desde 2014, além da forte redução e crise enfrentada pelas construtoras e empreiteiras nacionais que não chegaram a anunciar falência. Diferentemente das gigantes internacionais, as empresas nacionais não puderam contar nem com a remessa financeira das matrizes, nem com os incentivos do governo brasileiro. Depois de uma década de tentativas, o acirramento geopolítico dos últimos anos restabeleceu as grandes para-petroleiras internacionais no controle do petróleo brasileiro.

*Iderley Colombini é Técnico Pesquisador do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE), com mestrado e doutorado em economia pelo IE-UFRJ

Notícias relacionadas


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum