Entrevista exclusiva com Lula
12 de fevereiro de 2019, 09h14

Governo autoriza saque antecipado no INSS por calamidade pública em Brumadinho

Dilma Rousseff, que em 2015 assinou decreto para permitir o saque do FGTS, foi vítima de notícias falsas dos bolsonaristas. Ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, recuou em permitir acesso ao FGTS e disse que Vale deve arcar com custos.

Bombeiros trabalham no resgate de vítimas de Brumadinho (Reprodução)

A Secretaria Especial de Previdência e Trabalho e o Ministério da Cidadania autorizaram, nesta terça-feira (12), o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) a antecipar o pagamento do benefício de prestação continuada (um salário mínimo pago a idosos e deficientes de baixa renda) ou do benefício previdenciário aos moradores de Brumadinho, Minas Gerais, onde o rompimento de uma barragem da Vale matou 165 pessoas, segundo balanço divulgado até domingo, e deixou milhares desabrigadas.

A autorização está em portaria conjunta da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho e do Ministério da Cidadania, publicada no Diário Oficial da União (D.O.U). Para permitir a antecipação do benefício, os órgãos citam “o estado de calamidade pública reconhecido por procedimento sumário do governo federal”.

A permissão vem após o chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, declarar que o governo federal discute não liberar mais o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) às vítimas de Brumadinho. Lorenzoni disse na segunda-feira (11) que a Vale é quem deveria arcar com os prejuízos. A possibilidade de saque chegou a ser anunciada pela Caixa Econômica Federal logo após a tragédia.

Em 2015, a então presidenta Dilma Rousseff assinou decreto para permitir o saque do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) às vítimas do rompimento de outra barragem, na cidade de Mariana, também em Minas Gerais. Na ocasião, para possibilitar o acesso aos recursos do fundo, Dilma alterou um decreto anterior, passando a considerar desastre natural o rompimento ou colapso de barragens com dano a residências.

Pouco após o rompimento da barragem de Brumadinho, o decreto assinado por Dilma circulou nas redes sociais e foi apresentado pelos bolsonaristas como uma tentativa de eliminar a responsabilidade da Vale. Na verdade, a ex-presidenta classificou o rompimento de barragens como desastre natural apenas para efeito de saque do FGTS.

Na ocasião, Dilma se manifestou pelo Twitter. “As fake news dos bolsominions continuam. Esclareço que o decreto que assinei tinha como objetivo básico ajudar as vítimas da tragédia de Mariana a receber o dinheiro do FGTS. Equiparava o rompimento de barragens a desastres naturais apenas para efeito de saque do FGTS”, escreveu.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum