Governo Bolsonaro iria pagar pela Covaxin a uma empresa de fachada, diz CPI

“No mesmo endereço da Madison Biotech já foi denunciado que 600 empresas de fachada estão registradas", disse Randolfe

A Madison Biotech, empresa usada para tentar receber antecipadamente US$ 45 milhões da compra pelo governo Bolsonaro da Covaxin, deve ser de fachada, de acordo com a cúpula da CPI do Genocídio. O endereço da offshore é o mesmo em que investigações internacionais já apontaram que cerca de 600 empresas de fachada estão registradas.

“As informações que estamos colhendo apontam para que a Madison, usada pela Precisa para receber ilegalmente pagamento antecipado da venda da Covaxin, seja uma empresa de fachada. No mesmo endereço dela, já foi denunciado que 600 empresas de fachada estão registradas”, revelou o vice-presidente da CPI, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) para o blog de Valdo Cruz.

Randolfe revelou ainda que a CPI vai levantar quem são os sócios da empresa, com quem ela tem transações financeiras e por quem foi criada em fevereiro do ano passado. “Essa mesma empresa está envolvida em irregularidades no Paraguai na venda da mesma vacina”, alertou o senador.

O ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Onyx Lorenzoni, afirmou na coletiva desta quarta-feira que a Madison é, na verdade, um braço legal da Bharat Biotech, fabricante da vacina.

Notícias relacionadas:

Arthur Lira aconselhou Luis Miranda a tornar públicas denúncias da Covaxin, diz jornalista

Bolsonaro prevaricou: PF não acha registro de denúncia do presidente na compra de Covaxin

Em fevereiro, Flávio Bolsonaro comemorava a compra de 20 milhões da Covaxin

Publicidade

Jornal Nacional destaca ameaças de Bolsonaro contra denunciantes da Covaxin

Bolsonaro coloca Onyx para atacar denunciantes do escândalo Covaxin

Publicidade

A CPI da Covid não acredita nessa versão. Para o vice-presidente da comissão, ela pode até ser ligada à Bharat Biotech, mas a suspeita é que seria uma empresa de fachada usada para pagamentos irregulares.

“Por que não fazer o pagamento diretamente para a Bharat Biotech, por que usar uma empresa em Cingapura?”, questionou Randolfe.

Com informações do Blog do Valdo Cruz

Avatar de Julinho Bittencourt

Julinho Bittencourt

Jornalista, editor de Cultura da Fórum, cantor, compositor e violeiro com vários discos gravados, torcedor do Peixe, autor de peças e trilhas de teatro, ateu e devoto de São Gonçalo - o santo violeiro.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR