Governo tenta barrar MP que garante 13º do Bolsa Família, uma promessa de campanha de Bolsonaro

Medida foi promessa de campanha de Bolsonaro e agora é questionada por parlamentares governistas

O governo Bolsonaro, através de sua liderança na Câmara, se posicionou oficialmente nesta quarta-feira (12) contra a adoção definitiva do 13º do Bolsa Família e do Benefício de Prestação Continuada (BPC). A proposta, que circula como Medida Provisória, foi uma promessa de campanha de Jair Bolsonaro. O custo seria de aproximadamente R$ 7,3 bilhões.

Darcisio Perondi (MDB-RS), vice-líder do governo na Câmara, alega que existe um quadro fiscal dramático e é preciso agir com responsabilidade. “Não podemos acompanhar isso aqui”, disse.

O relator do projeto, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), sugere o uso de recursos por taxação dos fundos fechados, que afeta proprietários de grandes fortunas. A cada seis meses, a taxação sobre esses indivíduos no Imposto de Renda seria de 15%. Assim, seria possível arrecadar mais de R$ 10 bilhões.

Randolfe se pronunciou em favor do programa, questionando a conduta do governo. “Essa Medida Provisória se destina aos mais pobres, e nós reconhecemos isso. Chega a ser paradoxal o governo do presidente Jair Messias Bolsonaro propor uma Medida Provisória e querer depois que ela caduque”, disse.

Randolfe ressaltou ainda que inúmeras emendas foram rejeitadas para dialogar com o governo e “não ter nenhum relatório irresponsável”. “Acreditamos na promessa do governo de conversa conosco”, afirmou.

Segundo ele, o projeto também ajudaria o presidente a cumprir uma promessa de campanha.

Nas redes sociais, o senador questionou: “É justo que milhares de famílias de baixa renda sejam penalizadas por esse estelionato eleitoral?”.

Avatar de Gabriella Sales

Gabriella Sales

Estudante de Jornalismo na ECA-USP e estagiária da Fórum.