Grupo de Boulos vence eleições no PSOL; tendência é seguir com Lula

Corrente, que teve aproximadamente 60% dos votos, defende a possibilidade de formar uma frente ampla contra Bolsonaro

A eleição nacional dos filiados do PSOL que aconteceu nos finais de semana de agosto foi vencida pelo grupo de Guilherme Boulos (SP), que vai continuar com maioria na sigla. Ao lado de Boulos estão o atual presidente, Juliano Medeiros, a líder do partido na Câmara, Talíria Petrone (RJ), e o deputado federal Ivan Valente (SP).

O grupo teve aproximadamente 60% dos votos, contra cerca de 40% de grupos concorrentes, que têm como principais referências o deputado federal Glauber Braga (RJ) e a deputada estadual Luciana Genro (RS).

Boulos e seu grupo defendem a possibilidade do partido não lançar candidato à Presidência em 2022, privilegiando assim a composição de uma frente ampla de oposição a Jair Bolsonaro.

O debate, no entanto, deve continuar no partido até o ano que vem. Até o momento, cresce a possibilidade de apoio ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), o candidato que atualmente lidera as pesquisas eleitorais.

Os envolvidos apontam que ainda há muitas questões a equacionar, como a posição que o PSOL ocuparia na aliança, o programa político desse grupo de partidos e os demais membros dessa coalizão.

“O partido sai mais forte, foi um processo democrático interno com a participação de quase 50 mil filiados do Brasil inteiro, e a posição que defende o PSOL com mais amplitude mantendo sua coerência de princípios saiu fortalecida desse congresso”, disse Boulos ao Painel.

Com informações do Painel, da Folha

Avatar de Julinho Bittencourt

Julinho Bittencourt

Jornalista, editor de Cultura da Fórum, cantor, compositor e violeiro com vários discos gravados, torcedor do Peixe, autor de peças e trilhas de teatro, ateu e devoto de São Gonçalo - o santo violeiro.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR