Guedes fala em privatizar Petrobras e Banco do Brasil em 10 anos

A empresários, ministro lamentou o ritmo das privatizações, mas prometeu acelerar a venda de estatais

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse em evento realizado nesta segunda-feira (27) que o “plano” para os próximos 10 anos é o de aprofundar privatizações. Nesse caminho, entrariam a Petrobras e o Banco do Brasil. Apesar de Guedes manifestar o interesse em privatizar as estatais reiteradas vezes, o presidente Jair Bolsonaro tem adiado essa possibilidade para um eventual segundo mandato.

“Qual é o plano para os próximos 10 anos? Continuar com as privatizações. Petrobras, BB, todo mundo entrando na fila; e isso sendo transformado em dividendos sociais”, disse Guedes durante evento da ICC Brasil, que reúne os integrante brasileiros da Câmara de Comércio Internacional.

O ministro afirmou que as privatizações não tem andado “no ritmo que gostaríamos”, apesar de dizer que o governo privatizou “R$ 240 bilhões em 2,5 anos”. Segundo ele, até o momento foram desestatizadas apenas subsidiárias, mas agora vem empresas grandes, a começar pelos Correios.

O projeto de lei da privatização dos Correios foi aprovado na Câmara em agosto, mas ainda precisa passar pelo Senado. A Associação dos Profissionais dos Correios condena a proposta. Entre outros pontos, a entidade alega que o projeto é inconstitucional porque promove um monopólio privado.

O ex-presidente do Banco do Brasil, Rubem Novaes, abandonou o governo Bolsonaro em agosto de 2020 junto a outras figuras próximas de Guedes por enxergarem pouco espaço para seus anseios privatistas.

Com informações do Valor Econômico

Avatar de Lucas Rocha

Lucas Rocha

Lucas Rocha é formado em jornalismo pela Escola de Comunicação da UFRJ e cursa mestrado em Políticas Públicas na FLACSO Brasil. Carioca, apaixonado por carnaval e pela América Latina, é repórter da sucursal do Rio de Janeiro da Revista Fórum e apresentador do programa Fórum Global

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR