Há 3 meses no forno, Mendonça não tem votos para aprovação ao STF, diz Pacheco

Presidente da Casa afirmou que o "terrivelmente evangélico" passaria na Comissão de Constituição e Justiça, mas não na votação de todos os senadores

Indicado há três meses pelo presidente Jair Bolsonaro (Sem Partido) a uma vaga no Supremo Tribunal Federal (STF), André Mendonça não teria hoje os votos necessários para ser aprovado pelo Senado. As informações são da coluna de Guilherme Amado, no Metrópoles.

O presidente da Casa, Rodrigo Pacheco, afirmou que o “terrivelmente evangélico” passaria na Comissão de Constituição e Justiça, mas não na votação de todos os senadores. Para ser aprovado em plenário, Mendonça precisaria ter 41 dos votos, seja qual fosse o quórum presente.

Mendonça, ex-ministro da Advocacia-Geral da União (AGU), é o indicado por Bolsonaro para assumir a cadeira do STF deixada por Marco Aurélio Mello em julho. A indicação foi feita pelo presidente em julho, mas para ele se tornar ministro do Supremo, precisa ser aprovado após sabatina na CCJ.

Davi Alcolumbre (DEM), presidente da comissão, no entanto, ainda não marcou data para que a sabatina aconteça. Ele justifica que não há “consenso” na Comissão em torno do nome de Mendonça. Para Bolsonaro, tudo não passa de um jogo político. “Ele pode votar contra, mas o que ele está fazendo não se faz”, lamentou o presidente.

Notícias relacionadas

Avatar de Carolina Fortes

Carolina Fortes

Repórter colaborativa no site Emerge Mag e antiga editora-assistente no site da Jovem Pan. Ex-repórter no site Elástica. Formada em jornalismo e faz a segunda graduação em Letras na Universidade de São Paulo (USP). Acredita no jornalismo como forma de impacto social e defende maior inclusão e representatividade.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR