No rastro do crime ambiental nas praias do Nordeste
14 de março de 2019, 09h35

Hashtag #somosgamersnaoassassinos chega ao primeiro lugar nos TT’s após declaração de Mourão

O vice-presidente, contudo, evitou relacionar o Massacre de Suzano ao decreto assinado pelo presidente Jair Bolsonaro, que flexibiliza a posse de armas no país

Foto: Divulgação

Após a declaração do vice-presidente, general Hamilton Mourão, nesta quarta-feira (13), insinuando que o massacre de Suzano pode ter sido desencadeado pelo uso excessivo de videogames, a hashtag #somosgamersnaoassassinos chegou ao primeiro lugar, nesta quinta-feira (14), nos Trend Topics do Twitter no Brasil.

Foto: Reprodução Twitter

“Temos que entender o porquê disso estar acontecendo. Essas coisas não aconteciam no Brasil. Vemos essa garotada viciada em videogames violentos… Tenho netos e os vejo muitas vezes mergulhados nisso aí. (…) Quando eu era criança, jogava bola, soltava pipa. A gente não vê mais essas coisas. Lamento profundamente tudo que ocorreu. Estou muito triste com a situação”, comentou o vice-presidente.

O vice-presidente, contudo, evitou relacionar o Massacre de Suzano ao decreto assinado pelo presidente Jair Bolsonaro, que flexibiliza a posse de armas no país, supondo que a arma utilizada pelos assassinos era ilegal. Mourão falou ainda sobre a mudança de costumes das novas gerações.

Não é a primeira vez, porém, que um líder político relaciona tragédias deste tipo a jogos de videogame. Durante um encontro sobre a violência nas escolas dos Estados Unidos, o presidente Donald Trump tomou posição contra os jogos de tiros, dizendo que a violência dos jogos ‘tem feito a cabeça dos jovens’. O governador do Texas também culpou os jogos pela violência de jovens.

Não há como associar games com violência

Uma nova pesquisa conduzida pelo Oxford Internet Institute chegou à conclusão que não há como associar comportamentos violentos em jovens ao tempo que eles se dedicam a games com conteúdos violentos. Publicada na Royal Society Open Science, a pesquisa levou em consideração dados de jovens britânicos e a classificação oficial dos jogos vendidos na região.

“A ideia de que vídeo games violentos incitam agressões no mundo real é popular, mas isso não foi muito bem testado com o passar do tempo”, afirmou o professor Andrew Przybylski, diretor de pesquisa do Oxford Internet Institute que liderou as pesquisas. A iniciativa levou em consideração tanto relatos dos jovens quanto registros de parentes e cuidadores para determinar o nível de agressividade de cada pessoa.

“Nossas descobertas sugerem que os preconceitos de pesquisadores podem ter influenciado estudos anteriores sobre o tópico e distorceram nosso entendimento dos defeitos dos videogames”, afirmou o Dr. Netta Weinstein, um dos coautores do trabalho que trabalha na Universidade de Cardiff. “Parte do problema na pesquisa de tecnologia é que há muitas maneiras de analisar os mesmos dados, o que vai produzir diferentes resultados”, observou Przybyslki.

Estudos mais aprofundados são necessários

Segundos os pesquisadores, a falta de correlação entre games e comportamentos violentos não significa que jogos não causem situações em que o consumidor fica zangado. Os autores também afirmam que estudos mais aprofundados devem ser realizados para determinar se ideias como “mídias sociais levam à depressão” e “o vício em tecnologia diminui a qualidade de vida” realmente são verdadeiras.

Ao todo, o estudo do Oxford Internet Institute analisou o comportamento de 2.008 jovens britânicos com 14 e 15 anos de idade, que responderam questionários sobre suas personalidades e comportamentos dentro dos games. Além disso, foram levadas em consideração as perguntas respondidas por parentes e cuidadores com base no questionário “Strenghts and Difficulties”.

O nível de violência nos games não foi determinado pelos jovens estudados, mas sim pelo Pan European Game Information (PEGI), órgão regulador da Europa e pela Entertainment Software Rating Board (ESRB), que desempenha papel semelhante nos Estados Unidos. A intenção foi que, com isso, os pesquisadores teriam condições mais objetivas de analisar o assunto em questão.

Veja abaixo algumas reações com a hashtag #somosgamersnaoassassinos:

Com informações do Voxel


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum