quarta-feira, 28 out 2020
Publicidade

Hélio Schwartsman causa polêmica em artigo: “por que torço para que Bolsonaro morra”

O filósofo e jornalista Hélio Schwartsman causou polêmica ao publicar artigo na Folha desta terça-feira (7) com o título: “Por que torço para que Bolsonaro morra”. O jornalista afirma que não é nada pessoal, mas que torce para que o quadro do presidente Jair Bolsonaro (Sem Partido-RJ), que foi diagnosticado com Covid-19, se agrave e ele morra.

De acordo com o jornalista, “no consequencialismo, ações são valoradas pelos resultados que produzem. O sacrifício de um indivíduo pode ser válido, se dele advier um bem maior”.

Schwartsman afirma que “a morte do presidente torna-se filosoficamente defensável, se estivermos seguros de que acarretará um número maior de vidas preservadas. Estamos?”

Ele lembra que, sobre a postura de Bolsonaro com relação à pandemia do coronavírus, “a crer num estudo de pesquisadores da UFABC, da FGV e da USP, cada fala negacionista do presidente se faz seguir de quedas nas taxas de isolamento e de aumentos nos óbitos. Detalhe irônico: são justamente os eleitores do presidente a população mais afetada”.

Ao final, Schwartsman diz ainda que “a morte, por Covid-19, do mais destacado líder mundial a negar a gravidade da pandemia serviria como um ‘cautionary tale’ de alcance global. Ficaria muito mais difícil para outros governantes irresponsáveis imitarem seu discurso e atitudes, o que presumivelmente pouparia vidas em todo o planeta. Bolsonaro prestaria na morte o serviço que foi incapaz de ofertar em vida”.

Redação
Redação
Direto da Redação da Revista Fórum.