Humberto Costa: “Relatório final da CPI será muito forte”

Costa está produzindo livro sobre a CPI junto a Randolfe Rodrigues, vice da comissão

O senador Humberto Costa (PT-PE) usou as redes sociais neste domingo (19) para comentar sobre o relatório final da CPI do Genocídio. Segundo o relator da comissão, Renan Calheiros (MDB-AL), o texto será finalizado esta semana.

“O relatório final da CPI da Covid será muito forte, contundente e robusto”, afirmou Humberto Costa em seu Twitter.

“Daremos realmente uma resposta à população sobre o que aconteceu na pandemia e indicaremos as responsabilidades por essa verdadeira tragédia sanitária, econômica, social e política que assola o país”, disse ainda.

Renan Calheiros reforçou no sábado (18) que o relatório final da comissão deve estar pronto esta semana. “A partir de quinta [23] estarei em condições de ler o relatório”, disse o senador à jornalista Thais Arbex, da CNN Brasil.

No entanto, o senador Randolfe Rodrigues, vice da CPI, defende que a comissão acabe “quando tiver que acabar”.

Livro da CPI

Durante entrevista o Programão da Fórum, na sexta, Randolfe revelou ainda que ele e Humberto Costa estão produzindo livro sobre a comissão. “Vou dar um spoiler: eu e Humberto estamos escrevendo um livro sobre a CPI que pretendemos lançar entre abril e maio do ano que vem. Não tenho tido muito tempo para escrever, mas quando terminar a CPI vamos concluir esse serviço que temos que prestar à história”, disse à jornalista Cynara Menezes.

Avatar de Lucas Rocha

Lucas Rocha

Lucas Rocha é formado em jornalismo pela Escola de Comunicação da UFRJ e cursa mestrado em Políticas Públicas na FLACSO Brasil. Carioca, apaixonado por carnaval e pela América Latina, é repórter da sucursal do Rio de Janeiro da Revista Fórum e apresentador do programa Fórum Global

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR