#Fórumcast, o podcast da Fórum
12 de setembro de 2019, 09h47

Indicado por Bolsonaro para a vaga de Dodge afirma que Lava Jato “extrapolou limite da lei”

Segundo parlamentares, o subprocurador Augusto Aras disse que o formato da Lava Jato pode ter levado a prejuízos, não só para reputações, mas para a economia

Foto: Roberto Jayme/Ascom/TSE

O subprocurador Augusto Aras, indicado para a Procuradoria-Geral da República pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL-RJ), afirmou esta semana, de acordo com o senador Otto Alencar (PSD-BA), que a Lava Jato “teve um ponto em que extrapolou o limite da lei e cometeu excessos, sem citar nomes”, disse o senador.

Aras se reuniu nesta quarta-feira com a bancada do PT na Casa. O discurso contra uma conduta considerada “punitivista” do Ministério Público e de independência em relação ao governo agradou aos parlamentares petistas.

Se você curte o jornalismo da Fórum clique aqui. Em breve, você terá novidades que vão te colocar numa rede em que ninguém solta a mão de ninguém

O vice-líder do PT no Senado, Rogério Carvalho (SE), afirmou que poderia dar um voto favorável ao subprocurador caso houvesse uma avaliação positiva. “Ajuda alguém que opera o direito que seja capaz de fazer justiça respeitando a lei. Essa constatação só no contato pessoal”, disse Carvalho.

Na segunda-feira (9) Aras foi recebido pelo presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP) e defendeu uma “Lava Jato positiva”, que não criminalize a política. De acordo com relatos de senadores, o indicado pregou um Ministério Público Federal “moderno e clássico”, com unidade nos posicionamentos e que ajude o desenvolvimento do País, sem cor ideológica. Segundo parlamentares, o subprocurador disse que o formato da Lava Jato pode ter levado a prejuízos, não só para reputações, mas para a economia.

Integrantes do Ministério Público Federal protestaram contra a indicação de Aras, por não ter seguido a lista tríplice eleita pela categoria e pelo fato de Bolsonaro ter declarado que queria um procurador-geral alinhado ao governo. Em resposta, ele afirmou que, se assumir o cargo, agirá com “independência absoluta” em relação ao Executivo. “Se alguém pensa que vou dever gratidão, não vou. Vou fazer o trabalho que o MPF tem de fazer, um MPF moderno”, disse o indicado a líderes do Senado na tarde de anteontem.

Segundo a presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Casa, Simone Tebet (MDB-MS), a previsão é de que a sabatina seja realizada no próximo dia 25. Antes disso, no dia 18, a comissão poderá ler o parecer da indicação, que ainda não teve um relator designado.

Com informações do Estadão

 


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum