Fórum Educação
26 de Maio de 2019, 10h55

Investigação sobre gabinete de Flávio Bolsonaro na Alerj atinge 37 imóveis

Ao todo, são 14 apartamentos e 23 salas comerciais, que se distribuem em bairros como Botafogo, Copacabana, Jacarepaguá e Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro

Foto: Reprodução

A situação do senador Flávio Bolsonaro continua se complicando. A investigação sobre o gabinete do filho do presidente da República na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), à época em que era deputado estadual, já alcança 37 imóveis ligados a ele, sua família e a empresa Bolsontini Chocolates e Café, de acordo com informações de O Estado de S.Paulo.

Ao todo, são 14 apartamentos e 23 salas comerciais, que se distribuem em bairros como Botafogo, Copacabana, Jacarepaguá e Barra da Tijuca.

O Ministério Público (MP), quando pediu a quebra de sigilo bancário e fiscal de Flávio e de mais 94 pessoas e empresas, em 15 de abril, já afirmava ter reunido informações de que ele teria investido R$ 9,4 milhões na compra de 19 imóveis.

“As vendas declaradas entre 2010 e 2017 representariam uma lucratividade de R$ 3 milhões”, dizia o MP. Em seguida, listou um total de 37 imóveis, em uma solicitação de informações a cartórios do Rio.

A verdadeira devassa patrimonial é uma das linhas de investigação do MP para apurar supostos pagamentos irregulares detectados no gabinete de Flávio e das movimentações bancárias “atípicas” de Fabrício Queiroz, seu ex-assessor.

Defesa

No dia 26 de abril, Flávio entregou sua defesa e afirmou que os imóveis não valiam o que tinha sido estimado pela prefeitura, pois “qualquer habitante da terra sabe que estes valores são superfaturados pelo poder público para aumentar a arrecadação com impostos como IPTU e ITBI e que um imóvel jamais seria vendido se anunciado pelo valor estimado pela prefeitura”.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum