quarta-feira, 23 set 2020
Publicidade

Jean Wyllys compara autor de documentário sobre Bolsonaro com cineasta nazista

Jean Wllylys, ex-deputado federal pelo PSOL, foi ao Twitter, nesta terça-feira (23), para criticar a intenção da Agência Nacional do Cinema (Ancine) de liberar R$ 530 mil para a realização de um documentário sobre Jair Bolsonaro.

“Esses canalhas acusavam injustamente pessoas de usarem dinheiro público para propaganda, mentiram sobre a Lei Rouanet e sobre filmes que jamais utilizaram dinheiro público. Agora fazem isso. Quem será a Leni Riefenstahl dessa propaganda fascista? Terá ao menos seu talento?”, questionou Wyllys.

Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo.

A cineasta Leni Riefenstahl ficou famosa internacionalmente por sua estética nazista. Suas obras mais conhecidas são os filmes de propaganda que ela realizou para o Partido Nazista alemão, comandado por Adolf Hitler. Ela morreu em 2003.

Transformações

Depois de ser alvo de críticas por Bolsonaro, em relação às produções audiovisuais brasileiras, a Ancine autorizou a captação de R$ 530 mil para a produção de um documentário sobre Jair Bolsonaro.

O filme recebe o título de “Nem Tudo se Desfaz”, do diretor Josias Teófilo, e pretende partir das Jornadas de Junho 2013 para explicar as transformações culturais e políticas que levaram Bolsonaro à presidência.

Teófilo é o mesmo diretor de “O Jardim das Aflições”, que narra a vida, a “obra” e a trajetória do filosófico de Olavo de Carvalho, o “guru” da família Bolsonaro.

Redação
Redação
Direto da Redação da Revista Fórum.