Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
19 de outubro de 2018, 23h16

Jornal Nacional se rende às evidências e divulga matéria sobre escândalo do WhatsApp de Bolsonaro

Após ignorar o assunto na quinta (18), telejornal da Rede Globo veicula ampla reportagem a respeito do esquema montado pela campanha de Bolsonaro, para que empresas banquem notícias falsas no WhatsApp

Foto: Reprodução/TV Globo

Depois de ignorar o assunto, na quinta (18), o Jornal Nacional, da Rede Globo, desta sexta-feira (19), teve de se render às evidências e divulgou uma matéria de mais de nove minutos sobre o escândalo do esquema de fake news espalhadas pelo WhatsApp em benefício de Jair Bolsonaro (PSL). Nem o telejornal conseguiu esconder o esquema de caixa dois do presidenciável divulgado pelo jornal Folha de S.Paulo.

A reportagem do JN começou dizendo que o aplicativo de mensagens anunciou hoje que está investigando as empresas citadas pela matéria que mostra a denúncia. “Elas são suspeitas de integrar um esquema que visava a caluniar o candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad”, disse William Bonner. Em seguida, foi dito que as contas dessas empresas foram bloqueadas.

Depois, o Jornal Nacional mostrou a reportagem da Folha, onde foi veiculado que empresários pagavam até R$ 12 milhões por esse serviço, o que é uma prática ilegal. Mesmo assim, o jornalístico da Globo disse que a matéria “não exibiu documentos nem mencionou relatos de testemunhas”.

Em seguida, o JN mostrou a versão dos acusados. Um deles, o empresário Luciano Hang, dono da Havan. No jornal, foi dito que ele negou a compra de impulsionamentos e que “desafiou a Folha a mostrar algum contrato seu com empresas que usaram o WhatsApp” para disseminar notícias falsas. Todas as outras empresas citadas na reportagem que denunciou o escândalo, segundo o Jornal Nacional, negaram envolvimento no esquema.

Depois, o programa da Globo disse que, com base na reportagem da Folha, o PT ingressou com uma ação para que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) investigue o candidato do PSL e que o declare inelegível por oito anos. O partido também ressaltou o caráter eleitoral evidente da prática de caixa dois. Também foi citada a ação em que o PDT pede uma nova eleição de primeiro turno sem Bolsonaro.

De acordo com o JN, o ministro Jorge Mussi, corregedor do TSE, abriu a investigação pedida pelo PT, mas rejeitou todas as medidas cautelares, como busca e apreensão e quebra de sigilo. Segundo ele, é preciso ouvir a outra parte antes. Além disso, Mussi afirmou que o pedido do partido é baseado apenas em uma matéria jornalística. O ministro deu cinco dias para Bolsonaro responder aos questionamentos.

Também foi citado na matéria do Jornal Nacional que a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, pediu para que a Polícia Federal instaure um inquérito para investigar esquemas de notícias falsas de ambos os candidatos.

O jornal também divulgou uma fala de Haddad em que ele diz que a denúncia da Folha é “muito séria”. “Uma denúncia de que, via caixa dois, o meu adversário tinha feito uma espécie de tsunami cibernético com uma quantidade enorme de calúnias contra mim”, afirmou o petista. Segundo ele, sua família foi atingida com as mentiras espalhadas por Bolsonaro. Em seguida, o JN mostrou o militar se defendendo, dizendo que o que a matéria da Folha traz não é “nada comprometedor”.

Depois disso, a GloboNews, emissora a cabo da Rede Globo, também mostrou a matéria em um dos de seus programas jornalísticos.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum