Juristas entregam à CPI documento que aponta crime de extermínio de Bolsonaro

Associação Brasileira de Juristas Pela Democracia explica o porquê presidente comete tal crime, que pode constar no relatório final da comissão; confira

A Associação Brasileira de Juristas Pela Democracia (ABJD) entregou ao senador Renan Calheiros (MDB-AL), relator da CPI do Genocídio no Senado, um documento com 15 páginas em que explica o porquê Jair Bolsonaro teria cometido o crime de extermínio durante a pandemia do coronavírus.

O documento foi elaborado a pedido da própria CPI, que desde a última semana vem ouvindo juristas e advogados para ajudar a compor o relatório final da comissão, que deve ser apresentado em outubro.

Segundo a ABJD, Bolsonaro cometeu crime de extermínio ao encampar a tese da chamada “imunidade de rebanho”, incentivando a contaminação das pessoas e desestimulando medidas que pudessem conter a circulação do vírus.

“O que se apresenta no caso brasileiro é muito mais do que uma omissão. Não são apenas as falas do Presidente da República, mas uma sucessão de atos, como o boicote ao programa de vacinação e negação das políticas de cuidados sanitários, que demonstram uma intenção clara e um ataque sistemático às tentativas de controle da propagação da doença, que evidenciam uma política de extermínio em curso”, diz um trecho do relatório dos juristas.

O crime de extermínio, considerado um crime contra a humanidade, está previsto no artigo 7º, alínea “b”, do Estatuto de Roma, que rege o Tribunal Penal Internacional. A ABJD explica que, de acordo com o Estatuto de Roma, “extermínio” compreende a sujeição intencional a condições de vida, tais como a privação do acesso a alimentos ou medicamentos, com vista a causar a destruição de uma parte da população.

Os juristas defendem a tese de que não houve “incompetência” ou “negligência” por parte do governo Bolsonaro na condução de políticas para a pandemia, mas que existiu, na verdade, “o empenho e a eficiência da atuação da União em prol da ampla disseminação do vírus no território nacional, por meio de atos formais como decretos e vetos, e ações concretas de diversas naturezas, alimentadas pelos discursos, tudo declaradamente com o objetivo de retomar a atividade econômica o mais rápido possível e a qualquer custo”.

A ABJD pretende, ainda, anexar o relatório final da CPI, quando ficar pronto,  à representação protocolada no Tribunal Penal Internacional (TPI) em abril de 2020 que acusa Bolsonaro de crime contra a humanidade.

Confira, abaixo, a íntegra do documento dos juristas entregue a Renan Calheiros.

Publicidade

Parecer aponta 7 crimes de Bolsonaro

Na última semana, grupo de juristas liderado pelo ex-ministro da Justiça, Miguel Reale Júnior, entregou a Renan Calheiros um parecer com mais de 200 páginas em que apontam 7 crimes de Bolsonaro na pandemia.

São eles: crimes contra a saúde pública, infração de medida sanitária e epidemia; contra a administração pública (prevaricação); incitação ao crime por ações contra a paz pública; contra a humanidade, além de crime de responsabilidade, que são passíveis de impeachment.

Publicidade

Relatório sai em outubro

Dias após reforçar que o relatório final da CPI do Genocídio estará pronto ainda esta semana, o senador Renan Calheiros afirmou que a apresentação será apenas em outubro. Senadores vinham pressionando para novos depoimentos envolvendo os escândalos da Precisa Medicamentos e da Prevent Sênior.

“Senadores querem novos depoimentos, principalmente com as novidades trazidas sobre a Prevent Sênior e a Precisa. Então, o meu relatório, que está quase pronto, será apresentado após o último depoimento da CPI, em outubro”, disse Renan Calheiros ao jornalista Valdo Cruz, da GloboNews.

O relator da CPI destacou que o ministro Marcelo Queiroga deve ser um dos ouvidos após atender ao presidente Jair Bolsonaro e suspender a vacinação de adolescentes sem comorbidades. O governo usou argumento falacioso e teria se baseado em influenciadores de extrema-direita.

Em entrevista ao Programão da FórumRandolfe Rodrigues (Rede-AP), vice da CPI já havia sinalizado que a comissão duraria mais tempo. “Vamos parar de fazer conta, de aperreio. A gente vai acabar a CPI quando tiver que acabar a CPI”, afirmou Randolfe à jornalista Cynara Menezes, Programão da Fórum, na sexta-feira.

Avatar de Ivan Longo

Ivan Longo

Jornalista, editor de Política, desde 2014 na revista Fórum. Formado pela Faculdade Cásper Líbero (SP). Twitter @ivanlongo_

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR