Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
11 de julho de 2018, 10h24

Juristas gravam vídeo repudiando processo do tríplex que condenou Lula

Todos condenam a falta de provas, a condução do processo e comentam sobre a necessidade de sua anulação

Diversos juristas de renome nacional gravaram vídeo comentando o processo que condenou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no caso do tríplex a 12 anos e um mês. De acordo com opinião unânime, o processo contra Lula é uma farsa jurídica onde a justiça passou longe e serviu, sobretudo, para tirá-lo do processo eleitoral.

Para o professor de Direto Penal da USP, Alamiro Velludo Netto, “a sentença era anunciada antes do seu próprio início. Qual era a justificativa para que se fizesse aquela condução coercitiva originalmente, de uma maneira espetaculosa, e de maneira inclusive ao desamparo da legislação”, pergunta o jurista.

Já para o ex-governador de São Paulo, advogado e professor, Cláudio Lembo, “o processo começou com um equívoco muito grande, que foi a condução coercitiva do ex-presidente Lula. Foi um ato absolutamente desnecessário”, disse.

Para José Francisco Siqueira Neto, diretor do curso de Direito do Mackenzie, Lula foi condenado “por uma condução processual inequivocamente imparcial. Nem o mais comprometido anti-Lula é capaz de negar esse tipo de parcialidade”, disse.

Para Marcelo Nobre, jurista e ex-membro do CNJ, “no processo contra o presidente Lula nós vimos algumas situações anti-jurídicas”, revela.

Já Martonio Mont’Alverne, Professor da Universidade de Fortaleza e Procurador de Fortaleza, diz que o processo contra Lula é injusto e sem provas, “onde foi atribuído um bem imóvel ao ex-presidente Lula que ele nunca teve a posse, nem muito menos a propriedade. Onde ele foi condenado por um ato indeterminado, o que por si só configura motivo suficiente de nulidade e de qualquer invalidade da sentença”, ressalta.

Já para Weida Zancaner, professora de Direito da PUC-SP, Lula foi condenado absolutamente sem provas. “Não existe nenhuma prova que ele seja detentor da propriedade ou da posse do tríplex”.

Celso Antônio Bandeira de Mello, Jurista, advogado e professor da PUC-SP, também concorda e diz que “ele foi condenado sem prova, o que é uma coisa que não é a primeira vez na história que acontece. O judiciário não e tão imparcial quanto nós gostaríamos que fosse. Infelizmente ele tem o seu lado político também”.

Já para Eugênio Aragão, jurista e ex-ministro da Justiça, “o juiz no momento em que ele resolve ser parte da acusação, dando declarações públicas, como se acusador fosse, ele perde a sua imparcialidade”, disse.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum