Fórumcast #19
27 de novembro de 2018, 15h02

Lanchonete recebe críticas após chamar hambúrguer com “repOLHO ROXO” de “Maria da Penha”

A piada de mau gosto não bastou e, após a enxurrada de críticas, André Buzzo, o proprietário do estabelecimento, alterou o nome para “Censurado”

Foto: Divulgação

Lanchonete que fica em Salto, no interior de São Paulo, resolveu fazer gracinha com o nome de um sanduíche e gerou revolta entre os internautas. O lanche foi batizado com o nome de Maria da Penha e, entre os ingredientes, o cardápio destacava repOLHO ROXO, com as maiúsculas formando o trocadilho.

A piada de mau gosto não bastou e, após a enxurrada de críticas, André Buzzo, o proprietário do estabelecimento, alterou o nome para “Censurado”, na última segunda-feira (26).

Fórum precisa ter um jornalista em Brasília em 2019. Será que você pode nos ajudar nisso? Clique aqui e saiba mais

Foto: Reprodução

O caso continuou a gerar revolta e só então o proprietário alterou o nome de seu hambúrguer, que passou a ser “Um Lanche com Repolho” e, finalmente, pediu desculpas.

“Entendemos nosso equívoco em relação à escolha do nome e pedimos nossas mais sinceras desculpas pelo ocorrido”, informou, em nota. “Nós cometemos um erro ao nomeá-lo dessa maneira. Pedimos nossas sinceras desculpas pelo ocorrido”, reforçou.

Agressão à mulher

Veja também:  MPF vai à Justiça para barrar nomeação de Eduardo Bolsonaro à embaixada dos EUA

Em média, 503 mulheres são agredidas fisicamente por hora no Brasil, segundo dados do Datafolha. Mais da metade (52%) se cala, em vez de procurar ajuda, pelos motivos que se conhece (vergonha, atendimento policial preconceituoso, medo do agressor…). Ou seja, no breve minuto de leitura desta nota, mais oito mulheres sofreram violência em algum canto do país.

Em vigor desde 2006, a Lei Maria da Penha foi a primeira ação afirmativa do país, no âmbito da Justiça, no combate à violência contra a mulher. A segunda foi a Lei do Feminicídio, promulgada pela ex-presidente Dilma Rousseff, em março de 2015 – que julga assassinatos cujas motivações envolvem o fato de a vítima ser mulher.

Com informações da Carta Capital

Agora que você chegou ao final deste texto e viu a importância da Fórum, que tal apoiar a criação da sucursal de Brasília? Clique aqui e saiba mais


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum