Ouça o Fórumcast, o podcast da Fórum
04 de dezembro de 2019, 07h31

Lava Jato invoca Moro para descumprir ordem judicial de dar acesso à defesa de Lula aos sistemas da Odebrecht

Em ofício ao juiz Valisney de Souza Oliveira, os procuradores de Curitiba dizem que o acesso aos sistemas da Odebrecht deve obedecer a critérios estabelecidos por Sergio Moro, quando ele era titular da 13ª Vara Federal de Curitiba e era o responsável pelos trabalhos da “lava jato”

Dallagnol e Sergio Moro (Foto: Arquivo)

Os procuradores da Lava Jato de Curitiba invocaram uma decisão do ex-juiz e atual ministro da Justiça, Sergio Moro, para descumprir ordem do juiz Valisney de Souza Oliveira, da 10ª Vara Federal do Distrito Federal, que determinou que a defesa do ex-presidente Lula tenha acesso aos sistemas Drousys e MyWebDay, da Odebrecht.

A defesa de Lula, feita pelos advogados Cristiano Zanin Martins e Valeska Teixeira Martins, pediu acesso aos sistemas após vários indícios de que os procuradores da Lava Jato editaram e forjaram planilhas dos sistemas de comunicação (Drousys) e de contabilidade e controle dos pagamentos de propina (MyWebDay) em inquéritos conduzidos pela força-tarefa.

Em 27 de agosto, Valisney de Souza Oliveira – juiz da ação penal em que Lula é acusado de receber suborno para facilitar acesso da Odebrecht a crédito para obras de infraestrutura em Angola – concedeu o acesso à defesa do ex-presidente.

No entanto, em ofício no dia 11 de novembro, os procuradores da Lava Jato de Curitiba afirmam que dar acesso aos sistemas poderia desequilibrar o acordo de leniência feito com a Odebrecht, se recusando a cumprir a ordem judicial.

No documento, os procuradores salientam que a concessão de acesso aos sistemas da Odebrecht deve obedecer a critérios estabelecidos por Sergio Moro, quando ele era titular da 13ª Vara Federal de Curitiba e era o responsável pelos trabalhos da “lava jato”.

Entre os critérios, estão um que diz que “ficam vedadas novas cópias” e outro segundo o qual “o acesso ao sistema fica restrito por ora aos peritos federais lotados na Superintendência da PF em Curitiba”.

No ofício, os procuradores impõe condições para liberar o acesso: saber quais serão os critérios de pesquisa no sistema, a “descrição sintética” dos procedimentos usados, saber quais crimes estão sendo tratados na ação penal e relatórios sobre o trabalho que for feito.

Em petição enviada a Vallisney nesta terça-feira (3/12), a defesa de Lula afirma que há “fortes suspeitas de que as cópias de onde estão sendo extraídos elementos para instruir ações penais foram manipuladas”.

Para os advogados do ex-presidente, o acesso aos sistemas demonstraria que os registros de pagamentos e requerimentos de propina foram mexidos depois dos depoimentos das delações premiadas.

Com informações do site Consultor Jurídico

Notícias relacionadas


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum