Leia a íntegra do processo que pede a prisão de Dilma Rousseff e Renan Calheiros

Ação de Polícia Federal deflagrada nesta terça-feira (5) para apurar repasse de R$ 40 milhões para políticos do MDB solicitou a prisão, dentre outros políticos, da ex-presidenta Dilma Rousseff e de Renan Calheiros. A Polícia Federal é controlada pelo ministro Sérgio Moro e a prisão só não ocorreu porque o ministro do Supremo Edson Fachin […]

Ação de Polícia Federal deflagrada nesta terça-feira (5) para apurar repasse de R$ 40 milhões para políticos do MDB solicitou a prisão, dentre outros políticos, da ex-presidenta Dilma Rousseff e de Renan Calheiros. A Polícia Federal é controlada pelo ministro Sérgio Moro e a prisão só não ocorreu porque o ministro do Supremo Edson Fachin não autorizou. A investigação era sobre o repasse de R$ 40 milhões para políticos do MDB. Leia a íntegra do processo.

O pedido é assinado pelo delegado Bernardo Guidali Amaral, aliado de Moro e o mesmo que em agosto concluiu um inquérito que foi enviado no dia 26 daquele mês ao Supremo Tribunal Federal (STF). Na ocasião, ele apontava  “elementos concretos e relevantes” de que o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), cometeu os crimes de corrupção passiva, falsidade ideológica e lavagem de dinheiro.

“O pedido de prisão é um absurdo diante do fato de não ser ela mesma investigada no inquérito em questão. E autoriza suposições várias, entre elas que se trata de uma oportuna cortina de fumaça. E também revela o esforço inconsequente do ministro da Justiça, Sérgio Moro no afã de perseguir adversários políticos. Sobretudo, torna visível e palpável o abuso de autoridade”, diz nota da ex-presidente Dilma Rousseff.

Avatar de Redação

Redação

Direto da Redação da Revista Fórum.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR