“Lembra do Bebianno?”: Paulo Marinho, pai de humorista da Jovem Pan, ameaça Bolsonaro

Ex-ministro e coordenador da campanha de Bolsonaro, Bebianno, antes de morrer, em março de 2020, disse ter guardado um material, “inclusive fora do Brasil”, para ser usado caso algo lhe acontecesse

O empresário Paulo Marinho, suplente de Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ) no Senado, mandou um recado com tom de ameaça a Jair Bolsonaro nesta quarta-feira (27). Rachado com o presidente desde o primeiro ano do governo, Marinho citou o ex-ministro Gustavo Bebianno ao comentar a forma como o chefe do Executivo reagiu diante de uma pergunta sobre rachadinhas feita por seu filho, André Marinho, em entrevista à Jovem Pan.

Marinho se disse “absolutamente surpreso” com a forma como Bolsonaro tratou seu filho e disparou: “Você lembra do nosso amigo Gustavo Bebianno? Talvez você já tenha esquecido. Mas ele não lhe esqueceu, pode ter certeza disso. Quando você estiver chorando no banheiro do palácio, lembre disso, ele não lhe esqueceu”.

Bebianno foi coordenador da campanha de Bolsonaro em 2018 e, após a eleição, assumiu como secretário-geral da Presidência, tendo sido demitido, após rachar com o presidente, ainda no primeiro ano de mandato. Ele morreu em março de 2020 após um infarto e, nos meses anteriores ao seu falecimento, concedida entrevistas que dava a entender que possuía informações que comprometeriam Bolsonaro.

Ele chegou a afirmar que guardou um material, “inclusive fora do Brasil”, para ser usado caso algo lhe acontecesse. Essas informações estariam em um celular de Bebianno que, segundo Renata Bebianno, viúva do ex-ministro, foram destruídas.

Em julho, o empresário Paulo Marinho disse que Flávio Bolsonaro havia sido avisado da investigação sobre o caso Queiroz antes das eleições de 2018 e sugeriu acesso ao celular de Bebianno, o que não foi permitido por Renata.

Em julho de 2020, Paulo Marinho disse que Flávio Bolsonaro havia sido avisado da investigação sobre o caso Queiroz antes das eleições de 2018 e sugeriu acesso ao celular de Bebianno, o que não foi permitido por Renata.

Assista ao vídeo em que Marinho ameaça Bolsonaro ao citar Bebianno.

“Tchutchuca”

André Marinho, um dos comentaristas do Jovem Pan News, discutiu com Jair Bolsonaro e afirmou, nesta quarta-feira (27), que o presidente age como “tigrão com humorista e tchutchuca com o STF”. O caso ocorreu na estreia do programa.

Publicidade

Ironicamente, o humorista chamou o presidente de “mito”, disse que estava muito preocupado com o retorno do PT ao poder.

“O PT que vendeu o governo para o centrão, comprou base parlamentar com emendas, usa milícia digital para atacar opositor e fez indicação de cunho político para o STF”, disse o humorista, mencionando as práticas usadas pelo governo de Bolsonaro.

Publicidade

Em seguida, questionou o presidente em relação ao esquema de “rachadinhas”, tema bem conhecido por Bolsonaro, diante das acusações recebidas por seu filho, o senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ), de utilizar essa prática enquanto era deputado estadual.

Marinho perguntou: “Rachador tem que ir para a cadeia?”. Bolsonaro afirmou que não responderia ao que chamou de provocações.

“Ô, Marinho, você sabe que eu sou presidente da República, eu respondo sobre os meus atos, tá ok? Não vou aceitar provocação tua. Não vou aceitar. Não vou aceitar. O teu pai (Paulo Marinho) é o maior interessado na cadeira do Flávio Bolsonaro. O teu pai quer a cadeira do Flávio Bolsonaro. Eu decidi com o Flávio indicar teu pai. Não tem mais conversa contigo”, disse o presidente.

Ele se referiu ao fato de que Paulo Marinho é suplente de Flávio Bolsonaro no Senado.

Marinho, então, afirmou: “É isso, é tigrão com humorista e tchutchuca com o STF”. Veja o vídeo aqui.

Avatar de Ivan Longo

Ivan Longo

Jornalista, editor de Política, desde 2014 na revista Fórum. Formado pela Faculdade Cásper Líbero (SP). Twitter @ivanlongo_

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR