Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
26 de outubro de 2017, 20h42

Líder do governo Alckmin chama projeto do próprio governador de “burro”

Em audiência pública, o deputado estadual Barros Munhoz (PSDB) criticou o projeto de Alckmin que, aos moldes da “PEC do fim do mundo”, visa congelar os gastos públicos. Assista 

Por Redação

Por essa o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), não esperava. Um de seus principais aliados, o deputado estadual Barros Munhoz (PSDB), líder do governo na Assembleia Legislativa do estado, chamou de “burro” o projeto que o governador tenta aprovar. Em audiência pública realizada nesta quinta-feira (26), Munhoz teceu críticas ao PL 920/2017 que, aos moldes da “PEC do fim do mundo” de Temer”, visa congelar os gastos públicos.

“O envios desses projetos para Casa, com todo respeito meu caro secretário [se referindo ao secretário de Fazenda de Alckmin, Hélcio Tokeshi, presente na audiência], foi a maior burrice que eu já vi na minha vida. Um verdadeiro tapa na cara de quem já está sofrendo”, afirmou.

O PL apresentado pelo governo Alckmin à assembleia é muito parecido com a PEC 241 do governo federal, que congelou os gastos públicos federais por 20 anos. No projeto paulista, o congelamento aconteceria nos próximos dois anos e afetaria áreas como a saúde, educação e o funcionalismo público.

“Depois de três anos de sofrimento, sem aumento, os servidores de São Paulo, que são o sustentáculo desse estado, recebem a notícia de um projeto com este teor”, completou o deputado.

Na mesma fala, Munhoz dá ainda mais uma alfinetada no governo Alckmin e chama o próprio autor da proposta de “burro”, sem especificar se está se referindo ao secretário da Fazenda ou ao próprio governador.

“Eu já vi burro querer esconder que é burro, mas burro se jactar de ser burro, eu nunca tinha visto”.

Assista.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum