Fórumcast #20
17 de abril de 2018, 17h49

Lideranças progressistas criticam retirada de escolta de Marcelo Freixo

Para o teólogo e escritor Leonardo Boff, “Tirar escolta de Freixo, sempre ameaçado pela milícia, é dar ocasião para que haja outra Marielle”

Leonardo Boff: “É isso que o Estado quer? Ele se torna co-responsável se algo ocorrer a Freixo. Minha total solidariedade” – Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

Várias lideranças progressistas se posicionaram contrárias à iniciativa da Secretaria de Segurança Pública do Rio de Janeiro, que retirou os quatro policiais militares que faziam escolta do deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL). O parlamentar recebeu, ao longo dos anos, uma série de ameaças, após presidir a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) das Milícias, em 2008, que investigava a atuação de milicianos e suas articulações com o Poder Público.

O teólogo e escritor Leonardo Boff, por exemplo, afirmou o seguinte: “Tirar a escolta a Freixo, sempre ameaçado pela milícia é dar ocasião para que haja outra ‘Marielle’ outro ‘Anderson’. É isso que o Estado quer? Ele se torna co-responsável se algo ocorrer a Freixo. Minha total solidariedade”, escreveu ele, nesta terça-feira (17), em sua conta no Twitter.

O senador Lindbergh Farias (PT) escreveu: “É um absurdo! Freixo tem toda a minha solidariedade e não podemos admitir essa irresponsabilidade! Freixo vive há 10 anos sob escolta policial em razão de ameaças à sua vida desde que presidiu a CPI das milícias”. Tarso Genro (PT), por sua vez, postou: “Solidariedade total a Marcelo Freixo. É uma irresponsabilidade e uma ameaça tirarem a escolta de quem enfrentou as milícias!”.

Veja também:  Monica Benicio, viúva de Marielle, visita Lula: "Assim como Marielle, dedicou a vida a lutar pelos que mais precisam"

Dois dos policiais cuidavam da segurança pessoal de Freixo e outros dois asseguravam a escolta do delegado Vinícius George, que atuou como braço direito nas investigações da CPI. O relatório final da CPI das Milícias pediu o indiciamento de 225 políticos, policiais, agentes penitenciários, bombeiros e civis.

Em relação ao assassinato da socióloga e ex-vereadora Marielle Franco (PSOL-RJ) e do seu motorista, Anderson Gomes, no dia 14 de março, a suspeita mais forte é de crime político. Marielle também era ativista de direitos humanos e vinha denunciando a truculência policial contra as populações marginalizadas.

Veja também:  Quem tem medo de Marielle Franco?

Segundo o Brasil 247, o ministro Extraordinário da Segurança Pública, Raul Jungmann, disse nesta segunda-feira (16) que a linha para explicar os assassinatos é a atuação de milícias. “Uma ou duas pistas praticamente fechadas. E digo que, talvez hoje, apenas uma. Os investigadores têm caminhado bastante. E, até aqui, remete à atuação de milícias no Rio”, afirmou à Rádio CBN.


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum