Fórumcast, o podcast da Fórum
31 de janeiro de 2019, 08h15

Lotados no gabinete de Flavio Bolsonaro, advogados atuaram em 52 ações particulares do clã na Justiça

A atuação dos servidores pagos pela Alerj vão desde recorrer a multas de trânsito da mulher de Flávio, Fernanda Bolsonaro, a acompanhar a atual primeira-dama, Michelle Bolsonaro, em audiência em que era acusada de ameaça por uma empresária.

(Alerj)

Reportagem de Fábio Leite, na edição desta quinta-feira (31) do jornal O Estado de S.Paulo, revela que os advogados Lygia Regina de Oliveira Martan, Fernando Nascimento Pessoa, Miguel Ângelo Braga Grillo e Victor Granado Alves, que recebiam entre R$ 6,5 mil e R$ 21 mil no gabinete de Flávio Bolsonaro (PSL/RJ) na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) atuaram em pelo menos 52 ações particulares envolvendo o clã Bolsonaro.

A atuação dos servidores pagos pela Alerj vão desde recorrer a multas de trânsito da mulher de Flávio, Fernanda Bolsonaro, a acompanhar a atual primeira-dama, Michelle Bolsonaro, em audiência em que era acusada de ameaça por uma empresária.

Lygia Martan e o assessor Fernando Pessoa entraram com pedido de liminar no 2.º Juizado Especial Fazendário do Rio para tentar anular uma multa de trânsito aplicada pelo Detran do Rio a Fernanda Bolsonaro. A mulher do senador eleito havia sido parada em uma blitz da Lei Seca e se recusou a fazer o teste do bafômetro. O juiz indeferiu o pedido e depois a defesa desistiu da ação.

Veja também:  O panelaço contra Bolsonaro e a repercussão nas redes dos famosos

Victor Alves atuou em 13 processos judiciais para o pai, Jair Bolsonaro, a maioria em ações de indenização por danos morais movidas pelo ex-deputado federal contra adversários políticos, jornalistas e veículos de imprensa.

Na Câmara dos Deputados, Bolsonaro tinha à disposição uma verba mensal de R$ 92 mil para contratar até 25 assessores. Um dos casos defendidos por Alves foi a denúncia feita pelo Ministério Público Federal contra Bolsonaro por pesca ilegal em área protegida de Angra dos Reis, em 2012. A ação foi julgada improcedente pelo STF em 2016.

Leia a reportagem na íntegra.

Nossa sucursal em Brasília já está em ação. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Saiba mais.


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum