Depois de título em Paris, internautas pedem #LulaNobelDaPaz no Twitter

O escolhido para o prêmio será divulgado no dia 11 de outubro

Após a prefeitura de Paris conceder o título de Cidadão Honorário a Lula, internautas começaram nova campanha nas redes sociais para pedir a indicação do ex-presidente ao Prêmio Nobel da Paz, que será divulgado no dia 11 de outubro.

Lula tem quase 30 títulos de Doutor Honoris Causa concedidos por algumas das mais importantes universidades do Brasil e do mundo. Isso não veio à toa. O reconhecimento do seu papel é global. E isso tem legitimidade para lhe conferir um Nobel da Paz”, escreveu o líder da bancada do PT na Câmara, Paulo Pimenta.

Lula é símbolo de resistência mundial”, escreveu o deputado federal Paulo Teixeira (PT), também fazendo campanha com a hashtag. “Alguém que teve como missão maior de sua vida erradicar a fome e como projeto político retirar milhões de brasileiros e brasileiras da miséria merece, sim, o Prêmio Nobel da Paz!”, comentou a deputada Erica Kokay, presidenta do PT no Distrito Federal.

O Prêmio Nobel da Paz, Adolfo Pérez Esquivel, visitou o ex-presidente no dia 12 de setembro e também participou da torcida para que Lula seja indicado. “Não sabemos o que pode ocorrer, mas seria muito importante que fosse outorgado a Lula. Seria o primeiro prêmio Nobel do Brasil”, disse.

A temporada do Nobel começará com os prêmios científicos. O vencedor da categoria de Literatura será conhecido na quinta (10), e na sexta (11) será a vez do Nobel da Paz. Além de Lula, nomes como Greta Thunberg e o cacique Raoni Metuktire também estão quentes na disputa.
Confira alguns tuítes sobre #LulaNobeldaPaz:

https://twitter.com/pauloteixeira13/status/1180159269355839490

Publicidade

Avatar de Redação

Redação

Direto da Redação da Revista Fórum.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR