Fórumcast #19
30 de janeiro de 2019, 14h39

Lula: “Não deixaram que eu me despedisse do Vavá por pura maldade”

Nem mesmo a Ditadura Militar foi capaz de fazer algo do tipo e, numa demonstração mínima de humanidade, permitiu que deixasse o cárcere e participasse do enterro da mãe em 1980, disse Gleisi Hoffmann, presidenta do PT.

(Foto:Ricardo Stuckert

Em nota no site do Partido dos Trabalhadores, a presidenta do partido, Gleisi Hoffmann (PT/PR) transmitiu a mensagem e o sentimento do ex-presidente Lula, que foi impedido pela Polícia Federal de Sérgio Moro e por decisões da juíza Carolina Lebbos, da 12ª Vara Criminal de Curitiba, e o desembargador Leandro Paulsen, do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4).

“Não deixaram que eu me despedisse do Vavá por pura maldade”, disse Lula, que foi autorizado pelo Supremo Tribunal Federal a comparecer ao velório apenas quando não havia mais tempo de chegar.

Gleisi também revelou que Lula, acostumado a enfrentar as mais variadas adversidades desde a infância pobre em Pernambuco, sentiu-se impotente diante do impiedoso tratamento recebido por ele até mesmo quando desejava apenas se despedir do irmão mais velho.

Nem mesmo a Ditadura Militar foi capaz de fazer algo do tipo e, numa demonstração mínima de humanidade, permitiu que deixasse o cárcere e participasse do enterro da mãe em 1980. “Não posso fazer nada porque não me deixaram ir. O que eu posso fazer é ficar aqui e chorar”, lamentou Lula.

Veja também:  Em referência à nova leva da Vaza Jato, defesa de Lula cita abuso de autoridade e "conspiração"

Nossa sucursal em Brasília já está em ação. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Saiba mais.


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum