Lula pegou Covid e fez tratamento em Cuba

"Por estar fora do Brasil, o ex-presidente Lula decidiu comunicar a doença apenas na chegada ao país, para preservar sua família e dos demais infectados", diz trecho de nota publicada pelo ex-presidente

Em Cuba desde dezembro para a gravação de um documentário de Oliver Stone, o ex-presidente Lula chegou a ser diagnosticado com Covid-19 no país e teve que ser tratado na ilha caribenha. Ele voltou ao país nesta quinta-feira (21) após visitar o presidente Miguel Díaz-Canel e o ex-presidente Raúl Castro.

Segundo informações da jornalista Mônica Bergamo, da Folha de S. Paulo, a infecção foi descoberta em razão do rígido protocolo de segurança sanitária adotado para viajantes que chegam a Cuba. Testes realizados antes e depois da chegada ao país não indicavam infecção. No entanto, um terceiro exame feito cinco dias depois mostrou que todos os 9 integrantes, exceto a jornalista Nicole Briones, estavam com Covid.

Testes apontaram que o vírus que os infectou veio importado do Brasil.

Lula não teve sintomas iniciais, mas enfrentou lesões pulmonares compatíveis com Covid-19 e teve que ser tratado com o medicamento cubano Jusvinza. O jornalista Fernando Morais também enfrentou dificuldades e teve que ir ao hospital.

O restante do grupo usou apenas o interferon cubano, na versão injetável ou nasal, o Nasalferón.

Em nota, o presidente confirmou o tratamento. “Todos os nove membros da comitiva, exceto a jornalista Nicole Briones, tiveram diagnóstico positivo ao longo do monitoramento com RT-PCR. Todos permaneceram em isolamento sob vigilância sanitária, de acordo com diagnóstico, respeitando os protocolos do sistema de saúde cubano”, disse.

A mensagem diz ainda que o ex-presidente” decidiu comunicar a doença apenas na chegada ao país, para preservar sua família e dos demais infectados”. O médico infectologista, ex-ministro da Saúde e deputado federal Alexandre Padilha (PT-SP) acompanhou à distância o tratamento e a recuperação de Lula.

“Eu e toda minha equipe somos agradecidos à dedicação dos profissionais de saúde e do sistema de saúde pública cubano que estiveram conosco no cuidado diário. Agradeço ao governo de Cuba e a todos que estiveram conosco, de coração. Jamais esqueceremos a solidariedade cubana e o compromisso com a ciência de seus profissionais”, declarou o ex-presidente.

Publicidade

“Sentimos na pele a importância de um sistema público de saúde que adota um protocolo unificado, inspirado na ciência e nas diretrizes da OMS. E quero estender as minhas saudações a todos os profissionais de saúde que se esforçam para fazer o mesmo aqui no Brasil, apesar da irresponsabilidade do presidente da República e do ministro da Saúde”, disse ainda.

Lula ainda afirmou que está esperando sua vez na fila da vacina. “Sigo esperando minha vez na fila, com o braço à disposição para tomar assim que puder. E enquanto todos não se vacinam, vou continuar com máscara, evitando aglomerações e passando muito álcool gel”, completou.

Publicidade
Avatar de Lucas Rocha

Lucas Rocha

Lucas Rocha é formado em jornalismo pela Escola de Comunicação da UFRJ e cursa mestrado em Políticas Públicas na FLACSO Brasil. Carioca, apaixonado por carnaval e pela América Latina, é repórter da sucursal do Rio de Janeiro da Revista Fórum e apresentador do programa Fórum Global