Lula sai em defesa dos Correios após Câmara aprovar privatização da Eletrobras

"Faça chuva ou faça sol, os carteiros vão, de porta em porta, onde o povo está. E agora a garantia desses profissionais está em risco", tuitou Lula sobre a tentativa de privatização dos Correios pelo governo Bolsonaro

Em uma sequência de tuites na manhã desta quinta-feira (20), o ex-presidente Lula saiu em defesa dos Correios, uma das empresas estatais que se encontra na mira das privatizações do governo Jair Bolsonaro (Sem partido).

Notícias relacionadas

“Se não for barrada, a privatização dos Correios marcará a destruição de uma empresa que está há mais de 350 anos a serviço do povo brasileiro. Uma empresa fundamental para a integração do país, presente em todas as 5.570 cidades brasileiras”, escreveu Lula na manhã desta quinta-feira (20), após a Câmara aprovar projeto de privatização da Eletrobras.

Após a tratorada comandada por Arthur Lira (PP-AL) na Câmara, a presidenta nacional do PT, deputada Gleisi Hoffmann (PR) afirmou que em futuro governo progressista, a Eletrobras será reestatizada.

“O plenário voltará a discutir esse tema, quando nós, de novo, reestatizarmos a Eletrobras, se ela for privatizada aqui. Porque essa (a reestatização) é a única saída”, afirmou a deputada no plenário.

Para Lula, “em defesa do patrimônio do povo brasileiro, e por serviços postais eficientes e acessíveis a toda a população, é preciso dizer NÃO à privatização dos Correios”.

“Faça chuva ou faça sol, os carteiros vão, de porta em porta, onde o povo está. E agora a garantia desses profissionais está em risco”, tuitou.

Avatar de Plinio Teodoro

Plinio Teodoro

Jornalista, editor de Política da Fórum, especialista em comunicação e relações humanas.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR