Maioria acha que Lula é o melhor para combater corrupção, diz pesquisa Quaest

Eleitores consideram o ex-presidente o mais indicado para enfrentar o problema. O nome de Jair Bolsonaro aparece em segundo lugar, seguido pelo do ex-juiz e ex-ministro Sergio Moro

A última pesquisa realizada pela Consultoria Quaest, encomendada pela Genial Investimentos, aponta que o ex-presidente Lula é o nome preferido dos eleitores brasileiros para combater a corrupção no país. De acordo com o levantamento, realizado entre os dias 30 de setembro e 3 de outubro, o candidato petista é o nome ideal para solucionar o problema para 28% dos entrevistados.

Na sequência aparece o atual presidente da República, Jair Bolsonaro, com 24% da preferência do eleitorado, seguido pelo nome do ex-juiz e ex-ministro Sergio Moro, com 14% das menções.

Após a implacável perseguição política promovida pela operação Lava Jato, encabeça por Moro e pelos promotores do MPF de Curitiba, num dos mais notórios casos de lawfare de que se tem notícia no mundo, o ex-ocupante do Palácio do Planalto, que chegou a passar 580 dias preso, para depois conquistar 20 vitórias na Justiça provando sua inocência, é citado por um quarto dos brasileiros, segundo a Quaest, como o melhor nome para vencer o problema visto como um dos mais persistentes e endêmicos do país.

Junto com essa informação, a pesquisa mostrou também que Lula é principal aposta dos eleitores brasileiros para enfrentar a criminalidade, com 29% da preferência dos entrevistados, enquanto Bolsonaro, que sempre fez do assunto uma bandeira política, aparece na vice-liderança, com 25%. Outra vez Moro surge em terceiro lugar, com 14% dos brasileiros entendendo que ele é o mais indicado para combater o crime.

A pesquisa Quaest/Genial foi realizada com 2.048 eleitores de todas as regiões do país.

Notícias relacionadas

Avatar de Henrique Rodrigues

Henrique Rodrigues

Jornalista e professor de Literatura Brasileira.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR