Maioria dos deputados contraria Bolsonaro e apoia passaporte de vacinação

A partir da próxima segunda-feira (25), trabalhos na Câmara voltarão a ser presenciais e, para entrar no prédio, será necessário apresentar comprovante de imunização contra a Covid-19

Publicidade

A partir da próxima segunda-feira (25), os trabalhos na Câmara dos Deputados voltarão a ser presenciais e, para entrar no prédio, será necessário apresentar carteira de vacinação que comprove imunização contra a Covid-19.

Apesar da revolta de parlamentares bolsonaristas, que seguem o presidente Jair Bolsonaro no discurso antivacina, levantamento feito pelo Metrópoles mostra que a adesão é alta a essa ideia.

Publicidade

Dos deputados que responderam – todos foram procurados, mas 249 (48,5%) deram retorno – 161 (64,6%) se mostraram favoráveis ao passaporte e 50 (20%) se disseram contrários. Outros 29 (11,6%) declararam que ainda não se decidiram sobre o tema.

Notícias relacionadas

O Metrópoles também consultou todos os deputados sobre a imunização contra a Covid-19. Dos 304 que responderam à reportagem, só 6 disseram não ter se vacinado.

Publicidade
Publicidade

Todos são apoiadores de Bolsonaro, cinco do PSL, partido pelo qual ele se elegeu, e um do Podemos, o deputado Diego Garcia, do Paraná.

O uso de máscaras em todas as dependências da Câmara é obrigatório, segundo norma estabelecida na Portaria 107/20, de 30 de abril do ano passado.

Publicidade
Publicidade

A Casa adotou o trabalho “home office” em março do ano passado, no início da pandemia. Em fevereiro deste ano foi adotado o regime misto – isto é, presencial e remoto.

Avatar de Carolina Fortes

Carolina Fortes

Repórter colaborativa no site Emerge Mag e antiga editora-assistente no site da Jovem Pan. Ex-repórter no site Elástica. Formada em jornalismo e faz a segunda graduação em Letras na Universidade de São Paulo (USP). Acredita no jornalismo como forma de impacto social e defende maior inclusão e representatividade.