Marco Aurélio Carvalho diz que risco de Lula não ser candidato é zero

De acordo com o jurista, “se eventualmente o Fachin rever a posição dele e formar maioria para dizer que o Moro era competente, isso não prejudica a declaração de suspeição que já foi exarada pela segunda turma no caso do Triplex”

O jurista Marco Aurélio Carvalho, do Grupo Prerrogativas, afirmou durante o programa Fórum Onze e Meia, para os jornalistas Dri Delorenzo e Renato Rovai, que não há a menor chance do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva não ser candidato a presidente em 2022. O advogado afirmou que o risco é zero, independentemente do resultado da análise no plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre a anulação dos processos de Lula, que ocorre nesta quarta-feira.

“O risco é zero. Independentemente de qual possa ser o resultado, nenhuma possibilidade do ex-presidente Lula não poder ser candidato. Se eventualmente o Fachin rever a posição dele e formar maioria para dizer que o Moro era competente, isso seguramente não prejudica a declaração de suspeição que já foi exarada pela segunda turma no caso do Triplex, cujos efeitos extensivos para os demais processos são consequência lógica”, afirmou.

Carvalho disse ainda que “se um juiz é considerado suspeito em relação a algum réu, ele vai ser sempre suspeito em relação a este réu em todo e qualquer processo ou até mesmo ato processual, porque a suspeição e condição pessoal, ela acompanha o juiz em toda e qualquer circunstância que envolva aquele determinado réu do qual ele foi declarado suspeito”.

Avatar de Julinho Bittencourt

Julinho Bittencourt

Jornalista, editor de Cultura da Fórum, cantor, compositor e violeiro com vários discos gravados, torcedor do Peixe, autor de peças e trilhas de teatro, ateu e devoto de São Gonçalo - o santo violeiro.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR