Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
18 de março de 2018, 11h01

Marielle: Um atentado para o futuro?

Em análise, o professor Marcos Cesar Danhoni Neves afirma que é assustador saber que o povo martirizado pelas políticas depauperantes quando perde seus líderes pode partir para a convulsão social

A suspeita se torna quase uma certeza quando a perícia descobre que as balas dos 13 disparos que mataram Marielle e seu motorista provêm de uma pistola 9 mm de um lote da Polícia Federal do Distrito Federal – Foto: Renan Olaz/Câmara do Rio

Por Marcos Cesar Danhoni Neves*

Fomos surpreendidos anteontem com a execução brutal da vereadora do RJ e ativista Marielle Franco. O crime foi muito bem planejado e já se sabe não somente sobre o cenário preciso do crime, desde quando o carro da vereadora foi seguido, até a dinâmica do tiroteio que a matou e a seu motorista.

Devido às atividades políticas e sociais da vereadora na defesa intransigente dos direitos das minorias, especialmente relativos aos crimes policiais em Acari e seu posicionamento como representante do Observatório da Intervenção Militar no Rio, a suspeita “número um” recai sobre uma participação de aparatos ligados ao Estado ou às milícias, cujos membros infectaram as esferas administrativas do Rio de Janeiro e de todo o país.

A suspeita se torna quase uma certeza quando a perícia descobre que as balas dos 13 disparos que mataram Marielle e seu motorista provêm de uma pistola 9 mm de um lote da Polícia Federal do Distrito Federal. Bingo!!!

Estão agora tentando explicar este fato devido a um “roubo” de arma e munição (também original – munição UZZ-18 da empresa CBC, vendidas em 2006, NF 220-821/822).

A partir desta constatação factual necessário descobrir qual a razão deste crime de Estado. De onde partiu a ordem? As hipóteses são várias, mas podemos sintetizá-las em duas: I) ordens superiores dos protagonistas do golpe de 2016; II) de células-terroristas de ultradireita (como as do atentado no RioCentro durante o regime militar pós-64) que criaram vida própria a partir dos “ideais” dos golpistas de 2016.

As duas hipóteses levam a uma questão: “Por quê Marielle?!?”. Primeiro, Marielle era uma vereadora extremamente atuante, quinta maior votação do Rio e conhecida por ser aguerrida na luta dos desvalidos e com grande contumácia. Esta característica, em microescala, pode ser ampliada para um universo macro às grandes lideranças da esquerda brasileira e de uma, em particular: Luiz Inácio Lula da Silva. Daí nasce a terceira hipótese alicerçada no fato de algumas faixas expostas na entrada de  Morros, durante o Carnaval, que estampavam mensagens como: “Se Lula for preso, o Morro vai descer”.

A mística do “Morro descer” vem de um samba que canta essa possibilidade devido à brutal exploração dos miseráveis favelizados.

A terceira hipótese é, pois: “Marielle teria sido executada para, após o desaparecimento de uma líder inconteste da esquerda (em microescala: Rio de Janeiro), atestar a quase profecia de que o Morro realmente desceria?!?”.

Pode parecer uma hipótese fantasiosa, mas sabemos que o MP (13ª Vara, de Sergio Moro) e o STF (especialmente no “comando” de Cármen Lúcia) estão extremamente receosos sobre o que pode acontecer no país após a prisão de Lula. As consequências são totalmente imprevisíveis e podem ser letais em larga escala.

No caso de Marielle, os Morros desceram e encheram as praças em cortejos imensos durante seu doloroso velório (no mundo virtual, em pouco menos de 20 horas, mais de meio milhão de tweets encheram a web). A indignação tomou a todos e isso pode ser mensurado não somente pela multidão, mas pelo esforço da Globo em tentar cooptar a população pobre na narrativa da fatalidade promovida por essa Concessionária Pública apoiadora aberta dos golpes de 1964 e 2016.

É assustador saber que o povo martirizado pelas políticas depauperantes quando perde seus líderes pode partir para a convulsão social. Estamos no orlo de uma crise político-social-econômica que ainda mal se esboça. Com o assassinato de Marielle, o atentado para o futuro pode ter criado um cenário de simulação … O que brotará dele, após a prisão de Lula, poderá ser o que mais temem todos aqueles que usurparam o poder e escarneceram do desvalido povo brasileiro. As próximas semanas serão decisivas! Quem viver, verá!!!

*Marcos Cesar Danhoni Neves é professor titular da Universidade Estadual de Maringá e autor do livro “Lições de Escuridão”, entre outras obras


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum