Fórumcast #20
13 de agosto de 2019, 15h32

Marilena Chauí sobre Trump e Bolsonaro: “Modelo mafioso de gestão”

Para a filósofa, governos neoliberais de Bolsonaro e Trump configuram como "novo totalitarismo", onde não há mais a figura de um político, mas sim de um gestor que governa através do medo e da ameaça

Marilena Chauí (Reprodução)

Em debate na Fundação Perseu Abramo, nesta segunda-feira (12), a filósofa e professora emérita da Universidade de São Paulo (USP), Marilena Chauí, comentou sobre o chamado “novo totalitarismo” dos governos de Donald Trump (Estados Unidos), Viktor Orbán (Hungria) e Jair Bolsonaro. Para ela, não há mais a figura de um político nesses países, mas sim a de um gerente ou gestor.

“Os gestores atuam como gangsteres, governando por meio do medo”, disse a filósofa, que entende tal prática como uma “gestão mafiosa que opera pela ameaça e oferece proteção aos ameaçados, exigindo em troca a lealdade”. Chauí também chamou atenção para a figura dos gurus, ou conselheiros, nestes governos. Steve Bannon, em relação a Donald Trump,  e Olavo de Carvalho, no caso de Bolsonaro. “É um padrão, um modelo de funcionamento, um modelo mafioso de gestão”, explicou.

Outra característica marcante dos modelos totalitários em vigor, para Marilena Chauí, é a transformação dos adversários em corruptos, “embora a corrupção mafiosa seja a única regra de governo”. “Eles perseguem a esquerda e os democratas e pretendem uma limpeza. Para isso, desenvolvem uma conspiração comunista. Seus conselheiros são autodidatas, odeiam intelectuais, artistas e cientistas”, conclui.

Veja também:  Minúsculo: Governador de Minas já inicia distanciamento de Bolsonaro

Nesse ambiente, “comunista” passa a significar todo pensamento que questiona o status quo. “O não comunista sabe que a terra é plana”, ironiza. “Quando o ministro das Relações Exteriores diz que não existe aquecimento global porque foi a Roma e sentiu frio, ele mostra total ausência de pensamento, de reflexão, a ignorância levada ao ponto máximo. O que se pode esperar? Não dá pra esperar nada”.


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum