Marília Arraes vence candidato oficial do PT e é eleita segunda-secretária da Câmara

Deputada pernambucana lançou candidatura avulsa e derrotou o sergipano João Daniel, que foi indicado pela bancada do PT. "É necessário entender que parlamentares mulheres têm, sim, a capacidade de ocupar espaços importantes e de decisão"

Após lançar candidatura avulsa, a deputada federal Marília Arraes (PT-PE) venceu João Daniel (PT-SE), candidato oficial da bancada petista, e foi eleita segunda-secretária da Câmara Federal. Com a vitória, a pernambucana será a segunda mulher da história a ocupar este cargo na Mesa Diretora da Casa. No total, Marília obteve 192 votos, contra 168 de Daniel.

“É importante destacar que nós, mulheres, assim como os jovens e outros representantes da minoria numérica que compõe o Parlamento, não podemos esquecer de que no ambiente legislativo existem muitas convenções, costumes e acordos, em todas as bancadas, independentemente de coloração partidária. E, infelizmente, a maioria dessas ‘regras comuns’ não consideram a necessidade de se abrir espaços para nós. Por isso, minha eleição tem sim um significado muito importante”, afirmou Marília.

Na mesa, a petista pretende fazer frente à posição do presidente, Arthur Lira (PP-AL), que foi eleito com o apoio de Jair Bolsonaro, na tentativa de barrar as já negociadas pautas de costumes e neoliberais impostas pelo executivo.

“É necessário entender que parlamentares mulheres têm, sim, a capacidade de ocupar espaços importantes e de decisão. Nossa eleição foi resultado de uma articulação intensa e democrática e demonstra a confiança que conquistamos nos últimos anos entre os colegas deputados da Casa”, afirmou.

Avatar de Plinio Teodoro

Plinio Teodoro

Jornalista, editor de Política da Fórum, especialista em comunicação e relações humanas.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR