Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
02 de julho de 2019, 12h05

MBL diz que é vítima de bolsonaristas incitados por Olavo de Carvalho

As rusgas entre o MBL e outros grupos de direita surgiram em maio, quando o movimento decidiu não apoiar os atos do dia 26 daquele mês, em apoio a Bolsonaro. Olavo chamou o líder do movimento de Kim Katapiroka. André Petros, assessor do deputado estadual Douglas Garcia (PSL-SP) disse que o guru usou uma figura de linguagem. "Ele é um senhor, não iria literalmente dar um chute na bunda do Kim"

Olavo de Carvalho e Kim Kataguiri (Reprodução)

As agressões sofridas pelo MBL (Movimento Brasil Livre) durante as manifestações deste domingo (30) continuam dando o que falar. Nesta terça-feira (2), integrantes do grupo afirmam que os ataques bolsonaristas registrados nos atos do Rio e de São Paulo foram estimulados pelo guru político da extrema direita brasileira, Olavo de Carvalho.

Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo

Segundo Renan Santos, presidente do MBL, “o Olavo disse (via Twitter) que gostaria de vir pessoalmente ao Brasil para chutar o Kim Kataguiri”, mencionando o deputado federal do DEM de São Paulo e um dos principais integrantes do movimento.

A acusação de Santos foi criticada por André Petros, assessor do deputado estadual Douglas Garcia (PSL-SP) e que esteve presente na confusão: “o comentário do Olavo sobre o Kim foi uma figura de linguagem. Ele é um senhor, não iria literalmente dar um chute na bunda do Kim. Não foi esse ou aquele comentário que fez nascer esse sentimento hostil associado ao MBL”.

As rusgas entre o MBL e outros grupos de direita surgiram em maio, quando o movimento decidiu não apoiar os atos do dia 26 daquele mês, em apoio ao presidente Jair Bolsonaro – segundo os líderes, por ser contra algumas pautas levantadas, como o fechamento do Congresso e de STF (Supremo Tribunal Federal).

A partir daí, Olavo passou a criticar mais fortemente o movimento, e bem ao seu estilo – entre outras coisas, chamando seu líder e deputado federal de Kim Katapiroka:

Desde então, o grupo de jovens liberais (na economia, e conservadores nos costumes, como eles mesmos se definem) passou a ser alvo de burlas e ofensas dos setores mais fieis ao bolsonarismo, que a lançaram até uma hashtag #MBLtraidoresdaPatria, a qual chegou a se tornar um dos tópicos mais comentados do Twitter. A campanha digital contra o MBL já levou o grupo a perder cerca de 100 mil assinantes do seu canal no YouTube, entre outros efeitos.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum