Fórumcast, o podcast da Fórum
20 de julho de 2019, 17h47

MEC encerra programa de intercâmbio de linguas do Governo Federal

Após proporcionar que mais de 818 mil alunos e professores universitários aprendessem uma segunda língua, o Idiomas sem Fronteiras (IsF) será encerrado pelo Ministério da Educação por "não ter funcionado"

Bolsonaro e Abraham Weintraub (Foto: Valter Campanato/Agência Brasil)

O programa Idioma Sem Fronteiras (ISF), criado como um braço do extinto Ciência Sem Fronteiras, será encerrado pelo governo Bolsonaro após críticas da equipe do ministro Abraham Weintraub que avalia que ele “não deu certo”.

Após proporcionar que mais de 818 mil alunos e professores universitários aprendessem uma segunda língua, o Idiomas sem Fronteiras (IsF) será encerrado pelo Ministério da Educação (MEC). Segundo Arnaldo Barbosa de Lima Júnior, secretário da Educação Superior do ministério, ele não funcionou.  “O Idiomas sem Fronteiras não funcionou, a gente vai substituir. O objetivo não pode ser pagar TOEFL [teste de proficiência em inglês] para as pessoas”, afirmou.

Como destaca a Exame, a declaração de Lima Júnior veio logo após ele dizer que “falta internacionalização”. “Existem poucos estrangeiros no nosso país e, poucos brasileiros no exterior. As ações que foram feitas no passado, como o Ciências sem Fronteiras, não foram bem sucedidas porque focaram no CPF das pessoas. Nós queremos focar no CNPJ das instituições”, disse.

Veja também:  Por que Bolsonaro já admite recuo na indicação de Eduardo para embaixada dos EUA

Na quinta-feira (17), o governo do Maranhão, de Flávio Dino (PCdoB), anunciou a abertura de 80 vagas do programa Cidadão do Mundo, que tem foco similar ao ISM. Dino foi alvo de declarações xenofóbicas de Bolsonaro nesta sexta-feira (18).


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum