Membros da CPI endossam Fux, que cancelou reunião com Bolsonaro após ataques

"Em tempos sombrios, quando as piores pessoas perdem o medo, cabe às melhores não perderem a coragem em defender a democracia", diz trecho da nota dos senadores

Os senadores que compõem a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga os erros e omissões do governo Bolsonaro no combate à pandemia, a CPI do Genocídio, divulgaram nota nesta quinta-feira (5) para prestar apoio a ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) que vêm sendo atacados pelo presidente.

Durante sessão do Supremo mais cedo, o presidente da Corte, ministro Luiz Fux, subiu o tom contra Bolsonaro e anunciou o cancelamento de uma reunião que estava marcada entre os chefes dos Três Poderes (Executivo, Legislativo e Judiciário).

A postura de Fux se deu em reação aos novos ataques promovidos por Bolsonaro contra os ministros Alexandre de Moraes e Luís Roberto Barroso. O primeiro incluiu o presidente no inquérito das fake news, enquanto o segundo, além de ministro do STF, é presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), órgão responsável pela realização das eleições, que vêm sendo colocadas em xeque por Bolsonaro.

“Os integrantes da CPI da Pandemia, abaixo-assinados, subscrevem integralmente a decisão anunciada pelo Presidente do STF, Luiz Fux, e se solidarizam com os ministros Luís Roberto Barroso e Alexandre de Moraes”, diz a nota da CPI.

“É inegável que o Presidente da República, como método, tenta deslegitimar as instituições e ataca sistematicamente o Judiciário, expediente autoritário de lembranças funestas. A própria CPI tem sido alvo recorrente de tentativas de intimidações por parte do Executivo”, prosseguem os senadores.

Confira.

Fux sobe o tom

Apesar de Fux ter reagido aos ataques do presidente, Bolsonaro, em sua live desta quinta-feira, pareceu não ter se intimidado. Inicialmente, tentou parecer parcimonioso e reclamou de “problemas, ruídos e incompreensões que vem de um lado da Praça dos Três Poderes, onde 2 ou 3 se arvoram em ser o dono da verdade”.

Na sequência, o chefe do Executivo voltou a subir o tom e a fazer várias insinuações contra Luís Roberto Barroso, ministro do STF e presidente do TSE, e Alexandre de Moraes, ministro que incluiu Bolsonaro como investigado no inquérito das fake news. Também sobrou para Fux, que foi chamado de “desinformado” pelo presidente.

Publicidade

À tarde, Fux anunciou o cancelamento de reunião que aconteceria entre os chefes dos Três Poderes brasileiros (Executivo, Legislativo e Judiciário) em razão da postura de Bolsonaro. “Como presidente do STF, alertei o presidente da República em reunião realizada nesta Corte, durante as férias coletivas, sobre os limites do exercício do direito da liberdade de expressão, bem como ser necessário e inegociável o respeito entre poderes para harmonia do pais”, afirmou o magistrado.

“Contudo, como tem noticiado a imprensa, nos últimos dias o presidente da República tem reiterado ofensas, ataques e inverdades contra integrantes desta Corte”, prosseguiu. “O pressuposto do dialogo entre os Poderes é o respeito mútuo entre instituições e seus integrantes. Diálogo eficiente pressupõe compromisso permanente com as próprias palavras, o que infelizmente não temos visto no cenário atual”, finalizou.

Publicidade
Avatar de Ivan Longo

Ivan Longo

Jornalista, editor de Política, desde 2014 na revista Fórum. Formado pela Faculdade Cásper Líbero (SP). Twitter @ivanlongo_

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR