Fórumcast #20
15 de maio de 2019, 11h49

Militar que mantinha mulher e dois filhos reféns na Zona Norte do Rio se rende

Segundo um vizinho, o militar sequestrador saiu de cabeça erguida. Os outros familiares choravam. Dentro do apartamento foi encontrada uma pistola

Foto: Redes Sociais

O tenente-coronel do Exército, André Luiz, que mantinha mulher e filhos reféns desde a noite de terça-feira (14), se entregou a policiais às 9h50 desta quarta-feira. Foram quase 14 horas de negociações.

A família está recebendo cuidados médicos, e o militar foi levado para a 29ª DP (Madureira).

Segundo um vizinho, o militar sequestrador saiu de cabeça erguida. Os outros familiares choravam. Dentro do apartamento foi encontrada uma pistola.

Os vizinhos dizem que a esposa é uma boa pessoa e os filhos conviviam com as outras crianças do prédio. André Luiz era conhecido por ser fechado e andar armado.

O porta-voz do batalhão, tenente Moreira, afirmou que a esposa e os filhos não estão feridos e o dano seria “apenas emocional”.

André Luiz manteve a esposa Luciana Arminda, de 45 anos, e os dois filhos gêmeos, de 11 anos, reféns desde às 20h desta terça-feira em um edifício, onde moram na Rua Cerqueira Daltro, em Cascadura, na Zona Norte do Rio.

Segundo um morador do prédio ao lado, horas antes da movimentação dos policiais ao local, a mulher do militar gritava por ajuda enquanto era agredida.

Veja também:  Bolsonaro volta a atacar a Argentina e Fernández rebate: "Não penso em fechar a economia"

Luciana vivia uma rotina de agressões desde que a família se mudou para o prédio, há dois anos. Uma mãe de colegas de escola definiu André Luiz como “um poço de ignorância”. Segundo ela, já viu Luciana ferida algumas vezes. “A gente a via com os braços roxos.”

Com informações do G1

 


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum