Ministra de Bolsonaro diz que carne não está cara: “estava muito barata”

“Vai ter uma estabilização. Não vão ter mais essas puxadas. Mas não tem perigo de voltar ao que era. Mudou o patamar. Já tinha mudado o da soja, do milho”, afirmou Tereza Cristina

A ministra da Agricultura de Jair Bolsonaro, Tereza Cristina, conhecida como “Musa do Veneno”, em função de seu posicionamento favorável ao uso de agrotóxicos, afirmou em entrevista ao Poder360  que o preço da carne não deve baixar. Alheia às dificuldades econômicas da maioria do povo brasileiro, ela argumentou que o produto estava muito barato nos últimos três anos e que isso foi ruim para os criadores de gado e também para os consumidores.

“Vai ter uma estabilização. Não vão ter mais essas puxadas. Mas não tem perigo de voltar ao que era. Mudou o patamar. Já tinha mudado o da soja, do milho”, afirmou a ministra. “A carne ficou por três anos com valor muito baixo. Isso faz com que o mercado sinta mais essa subida”. Ela disse que não faltará carne nos açougues. “O risco de desabastecimento é zero.”

Não é sócio Fórum? Quer ganhar 3 livros? Então clica aqui.

Segundo a ministra, o aumento no preço da carne se deve à maior procura dos chineses pelo produto. A peste suína africana levou à perda de 40% do rebanho do país asiático. Isso fez com que a China passasse a adquirir mais carne bovina de outros países. Os chineses tinham comprado 20 mil toneladas em junho e passaram para 65 mil em outubro.

“O produtor vinha tendo muitos problemas, querendo até trocar de atividade, porque estava tendo prejuízo”, afirmou. “A produção vai aumentar. Podemos diminuir o tempo de abate, tendo animais mais jovens no peso ideal”,

Avatar de Redação

Redação

Direto da Redação da Revista Fórum.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR