Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
10 de abril de 2019, 15h04

Ministro mente sobre sobre leilão de petróleo em Abrolhos e toma invertida de deputado: “Sejamos honestos”

Ricardo Salles diz que parecer técnico do Ibama não teria contrariado a exploração do pré-sal na região. Com documento em mãos, Alessandro Molon rebateu: "A recomendação foi: não se leiloe"

Ricardo Salles em reunião da Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados)

Participando de Audiência Pública na Câmara Federal nesta quarta-feira (10), o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, tentou dar um “passa-moleque” nos deputados, passando a ideia de que o Ibama não teria contrariado recomendações de seus técnicos para evitar o leilão visando a exploração de petróleo na região do Parque Nacional Marinho de Abrolhos, no Sul da Bahia. Líder da oposição, Alessandro Molon (PSB-RJ) expôs a contradição.

A área é considerada um santuário ecológico, com recifes de coral e manguezais, que seriam atingidos em poucas horas por eventual vazamento, comprometendo a fauna e a pesca artesanal.

O ministro afirmou que os técnicos teriam se pontuado apenas não ser “possível concluir com certeza de que não há risco” por falta de estudos completos.

Dessa forma, segundo Salles, o presidente do Ibama, Eduardo Fortunto Bim, teria apenas autorizado a inclusão da área da chamada Bacia Camamu-Almada no leilão da Agência Nacional de Petróleo (ANP), com a clareza, inclusive para os interessados, de que a execução da atividade econômica ficaria condicionada ao posterior licenciamento ambiental.

Alessandro Molon, no entanto, recebeu documento de 18 de março, no qual o corpo técnico do Ibama, expressamente, sugere a exclusão do bloco a partir das considerações que antecedem a conclusão.

“A oferta [nos leilões] (…) nesta bacia deve ser precedida de realização de estudos de caráter estratégico, que poderiam avaliar a aptidão da área com maior segurança ambiental, propiciando, consequentemente, maior segurança jurídica aos empreendedores”, diz trecho do parecer, também obtido pela Fórum.

Com o texto em mãos, Molon questionou Ricardo Salles: “É uma conclusão taxativa. Queria deixar isso registrado a bem da verdade (…) Ainda que Vossa Excelência tenha razão, de que é pela ausência de prova de inexistência de risco, mas a recomendação foi: não se leiloe. Imagine a pressão que não terá para ser licenciado. Sejamos honestos”.

Minutos depois, o presidente da Comissão de Meio Ambiente, Rodrigo Agostinho (PSB-SP) noticiou ter recebido a cópia do documento, confirmando a contradição do ministro. “Vamos levar ao conhecimento [do colegiado] para que possamos avaliar possíveis providências a serem tomadas. Pela gravidade do assunto, acho que merece uma discussão mais aprofundada”, afirmou.

Antes, Rodrigo já havia registrado ser “muito ruim” para a comissão haver divergência entre o que for dito e o que consta no documento.

“Tem que avaliar cada palavra que foi dita aqui. No meu entendimento, ele não apresentou o ponto da forma correta. Vamos ler as palavras dele nas notas taquigráficas e comparar com o relatório”, diz Alessandro Molon, sobre eventuais providências caso o parlamente identifique que o ministro mentiu deliberadamente na Câmara.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum