Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
22 de janeiro de 2020, 09h20

Miriam Leitão dá invertida em Paulo Guedes: “Para grilar e desmatar é preciso capital. Muito capital”

"Capangas armados ocupam a terra que está sendo grilada. Fazem isso a soldo. De quem?", indaga a jornalista da Globo em resposta a declaração do ministro de Bolsonaro, que disse no Fórum Econômico Mundial que os pobres "destroem o meio ambiente porque precisam comer"

Miriam Leitão e Paulo Guedes (Montagem)

Em artigo nesta quarta-feira (22) no jornal O Globo, Miriam Leitão deu uma invertida no ministro da Economia, Paulo Guedes, que durante discurso nesta terça-feira (21) no Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça, afirmou que os pobres “destroem o meio ambiente porque precisam comer”.

“Não é a pobreza que desmata. Para grilar e desmatar é preciso capital. Muito capital”, escreveu a jornalista, ressaltando que esse é um discurso repetido no governo Jair Bolsonaro, já dito algumas vezes pelo ministro de Meio Ambiente, Ricardo Salles.

“Quanto custa uma motosserra? E várias delas? Quanto custam tratores, correntões, caminhões? Tudo isso é necessário para desmatar. Um método primitivo, mas muito usado, é o correntão. Ele vai arrastando as árvores, mas não funciona sem tratores. São necessários dois, um de cada lado. Quanto custam dois tratores? Depois, é preciso ter caminhões para transportar as toras até o consumo. Mas, antes, é necessário ter uma escavadeira hidráulica com garra de metal para empilhar as toras nos caminhões. Capangas armados ocupam a terra que está sendo grilada. Fazem isso a soldo. De quem? Documentos são esquentados, como as guias de transportes. São comprados títulos falsos de propriedade”, escreve a jornalista no início do texto, com uma série de indagações.

Miriam ainda relembra a alta de 30% no desmatamento da Amazônia em 2019, segundo dados no Instituto Nacional de Pesquisa Espacial (Inpe).

“Há muitos estudos provando a correlação direta entre o aumento do desmatamento e o das queimadas. Não houve um surto de alta da pobreza que explicasse o que aconteceu em 2019. O que houve foram sinais do governo de que o crime não seria combatido”, escreveu Miriam, invertendo a tese de Guedes.

“O pobre é a grande vítima da destruição do meio ambiente. Ele é recrutado como mão de obra em trabalho degradante, depois é ele que vive os efeitos da degradação da terra, da água e do ar. A falta de saneamento contamina principalmente as regiões onde moram os pobres. Os lixões se acumulam é nas periferias. Nos extremos climáticos são os pobres os mais afetados. Eles não são os agentes da destruição ambiental. São suas primeiras vítimas”.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum