Fórumcast, o podcast da Fórum
30 de julho de 2019, 09h28

Míriam Leitão, que também foi atacada, diz que Bolsonaro mostra que militares mentiram na Ditadura

A própria jornalista da Globo foi vítima da ira revisionista de Bolsonaro, que negou que ela tenha sofrido tortura na Ditadura, considerando a história dela como "drama mentiroso"

Miriam Leitão e Bolsonaro (Reprodução)

Em artigo contundente nesta terça-feira (30), a jornalista Míriam Leitão, da Rede Globo, afirmou que sentiu “nojo” com as declarações de Jair Bolsonaro (PSL) a respeito do desaparecimento e morte do pai do presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Felipe Santa Cruz, que foi assassinado e morto pela Ditadura.

Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo

Para Míriam, Bolsonaro mostra, com isso, que os militares sempre mentiram sobre os crimes cometidos durante o regime.

“Ao se colocar como o conhecedor dos segredos da ditadura, ele diz que há informações sonegadas ao país, que ele sabe onde estão. Nunca ficou tão claro que as Forças Armadas mentiram quando disseram não ter como recuperar os fatos. Nunca souberam, por exemplo, dizer as circunstâncias da morte de Vladimir Herzog, onde foi posto o corpo de Rubens Paiva, como foi assassinado num quartel da Aeronáutica o jovem Stuart Angel”, declarou a jornalista, citando casos não esclarecidos ocorridos durante o regime militar.

A própria jornalista foi vítima da ira revisionista de Bolsonaro, que negou que ela tenha sofrido tortura na Ditadura, considerando a história dela como “drama mentiroso”. Miriam estava grávida quando foi presa pela ditadura militar em 1972 e sofreu várias formas de tortura por um período de três meses.

Ódio e nojo
Em seu artigo, Miriam Leitão cobra um posicionamento do Exército, Marinha e Aeronáutica sobre as declarações do presidente e relembra uma fala do ex-deputado Ulysses Guimarães durante o processo de redemocratização do Brasil.

“É hora de lembrar o que disse o grande Ulysses Guimarães ao promulgar a nossa Carta Magna: ‘Temos ódio à ditadura, ódio e nojo’. Ontem foi o dia de sentir nojo”, escreveu.

Leia o artigo na íntegra


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum